O impacto de animais de companhia na fauna silvestre brasileira

O impacto de animais de companhia na fauna silvestre brasileira

Figura 1 – Pressões na cadeia alimentar que levam a aumento ou redução de animais da base da cadeia alimentar

Introdução

O aumento da população de cães e gatos não domiciliados em centros urbanos tem causado problemas que envolvem pessoas ou outros animais, como zoonoses (leptospirose, toxoplasmose, brucelose) e outras doenças intraespecíficas, como cinomose, parvovirose em cães e FIV e FeLV em gatos 1,2, além de atropelamentos e danos à propriedade pública ou particular, sendo seu manejo um desafio constante para a medicina veterinária do coletivo 3. Além desses problemas visíveis, outros, como a interação nociva à fauna nativa, têm sido subestimados ou mesmo ignorados pelos órgãos competentes e a sociedade em geral.

Segundo a prerrogativa do Poder Executivo, a proteção da fauna nativa tem sido atribuição do Ibama e do ICMBio, como parte do Ministério do Meio Ambiente, sendo recentemente repassadas suas atividades também para as secretarias estaduais e municipais de Meio Ambiente. O Ministério do Meio Ambiente tem como missão promover a adoção de princípios e estratégias para o conhecimento, a proteção e a recuperação do meio ambiente, o uso sustentável dos recursos naturais, a valorização dos serviços ambientais e a inserção do desenvolvimento sustentável na formulação e na implementação de políticas públicas, em todos os níveis e instâncias de governo e sociedade 4.

As secretarias estaduais e municipais têm semelhanças nas esferas de atuação nos estados e nos municípios, incluindo o planejamento, a coordenação, a execução, o controle, o apoio e a avaliação da preservação ambiental 5.

As políticas de defesa e proteção aos animais têm sido definidas no ambiente como um todo, agrupando benefícios a todas as espécies que dividem a existência, em particular nas áreas urbanas das cidades. Assim, torna-se necessário estabelecer ações relativas à fauna doméstica e à fauna nativa 3. A maior parte dos recursos aplicados por pressão social aos respectivos poderes Executivo (presidente, governadores e prefeitos) e Legislativo (senadores, deputados e vereadores) tem se restringido às castrações como a forma mais eficaz de manejo populacional, com a captura, a esterilização e a soltura de animais domésticos castrados.

A soltura de qualquer tipo de animal pode gerar impacto importante no meio ambiente, em particular tratando-se de cães e gatos, pois esses animais de companhia têm colocado em risco espécies nativas de vários países, como Austrália 6, Estados Unidos 2, e em alguns fragmentos da Mata Atlântica no Sudeste brasileiro 7 e, mais recentemente, no arquipélago de Fernando de Noronha, no Nordeste do nosso país 8.

 

Impacto da fauna doméstica na fauna nativa

O artigo 2° da Portaria do Ibama n° 93/1998 apresenta a definição de fauna silvestre brasileira como conjunto de espécies nativas e restritas a um determinado espaço geográfico, enquanto a fauna silvestre exótica inclui todas as espécies que não habitam naturalmente o território brasileiro, havendo ou não populações livres na natureza, geralmente introduzidas pelo homem. Finalmente, como fauna doméstica são consideradas todas as espécies que se tornaram domésticas sob os artifícios habituais de manejo, possuindo atributos biológicos e comportamentais em estreita conexão com o homem 9.

Tanto o cão (Canis familiaris) como o gato doméstico (Felis catus) podem apresentar características de fauna exótica invasora quando deixam a vida doméstica e passam a se reintegrar ao ambiente de maneira asselvajada, colocando em risco a fauna nativa, uma vez que são carnívoros e encontram-se no topo da cadeia alimentar 10 (Figura 1).

As implicações da entrada de espécies exóticas são em geral inesperadas, tornando-se uma ameaça expressiva quando passam a ser invasoras, com consequências que podem ser graves 11. A característica de “invasor” dessas espécies é favorecida pela ausência de predadores naturais e pela capacidade de se instalarem em diversos ecossistemas 12, além de serem exímios predadores e de apresentarem rápido crescimento e eficiência de dispersão 13. O impacto perante as espécies nativas pode ser agrupado em cinco categorias: a predação e o herbivorismo; a concorrência com outras espécies; a introdução de doenças infectocontagiosas; distúrbios físicos e químicos; além do acasalamento com espécies nativas 14.

A incursão de espécies hoje é a segunda maior causa de perda de biodiversidade em escala global, ficando somente atrás da destruição de habitats 15, sendo que cerca de 40% de todas as extinções desde o século XVII cujas causas são avaliadas foram provocadas pela invasão de espécies exóticas 16.

Vários estudos mostraram que nos Estados Unidos os gatos errantes podem aniquilar por ano cerca de 2,4 bilhões de aves e 12,3 bilhões de mamíferos, além de 478 milhões de répteis e 173 milhões de anfíbios 17. Do mesmo modo, cães e gatos têm um alto impacto de predação em aves não voadoras na Nova Zelândia. Um único cão doméstico matou 900 kiwis nesse país. Os gatos ferais podem matar 700 répteis, 150 aves e 50 mamíferos nativos por km² por ano 7, sendo nomeados uma das 100 piores espécies invasoras do mundo, segundo o Invasive Species Specialist Group (ISSG) 19.

“Todos os animais são iguais, mas alguns são mais iguais do que outros” – George Orwell (A revolução dos bichos, 1945)

Em ilhas, os gatos são responsáveis por pelo menos 14% da extinção global de aves, mamíferos e répteis, e são a principal ameaça para quase 8% dos mamíferos, aves e répteis criticamente ameaçados 20. Segundo os pesquisadores do Instituto Brasileiro de Medicina da Conservação (Tríade) e do Centro de Avaliação da Biodiversidade e de Pesquisa e Conservação do Cerrado (CBC), ambos do ICMBio, no arquipélago de Fernando de Noronha são estimados mais de 1.300 gatos – constituídos por animais domiciliados (que têm um tutor responsável), peridomiciliados (que não têm um responsável e acabam vivendo nas redondezas das casas) e animais ferais (que perderam o contato com os seres humanos e têm hábitos asselvajados). Esse contigente representa uma das maiores densidades da espécie já registradas em ambientes insulares 8.

A partir do momento em que esses animais passam a ser asselvajados, eles se tornam um risco para as espécies endêmicas da região – por exemplo, no arquipélago, o lagarto mabuia (Trachilepys atlantica), uma espécie endêmica, é a presa favorita dos gatos ferais 8.

É importante ressaltar que não somente cão e gato afetam a fauna nativa – animais silvestres exóticos também acabam causando desequilíbrio. Invasões biológicas têm modificado a biota mundial, provocando variações nos papéis de espécies nativas em comunidades, transformando processos evolutivos e gerando mudanças radicais na abundância de espécies, levando por vezes à extinção 21. No arquipélago de Fernando de Noronha são estudados em especial os impactos social, ecológico e econômico não apenas do gato doméstico, mas também do lagarto teiú (Salvator merianae) sobre o roedor mocó (Kerodon rupestris) 22, a lagartixa (Hemidactylus mabouia), o sapo-cururu (Rhinella jimi) e a perereca (Scinax sp.) 8.

O impacto das invasões biológicas é considerado relativo, pois a perda de biodiversidade pode variar entre regiões, assim como pelas espécies nativas afetadas em locais e períodos diversos. Mamíferos da Índia, Indonésia, Austrália e Europa estão sendo diretamente ameaçados pelas espécies exóticas invasoras 24. Um dos países que mais sofre com a invasão de fauna exótica é a Austrália, que tem problemas com sapos, coelhos-europeus (coelhos-bravos), raposas-vermelhas, camelos, gatos, bodes, cervos, cavalos, porcos e búfalos, entre outros.

De acordo com a Lei da Biodiversidade de 1999 daquele país, os animais acima citados são reconhecidos como ameaça aos animais e plantas nativos. Os impactos de alguns desses animais já foram listados (key threatening processes – principais processos ameaçadores) 25, e a partir disso vêm se desenvolvendo planos de redução de ameaça 26.

Outra maneira de as espécies exóticas afetarem diretamente a fauna nativa são as enfermidades infecciosas. Muitos animais silvestres não possuem sistema imunológico competente para combater patógenos originários dos animais domésticos, como é o caso dos coalas na Austrália. Um dos principais fatores que contribuem para o declínio e a viabilidade das populações afetadas é a doença causada pela bactéria Chlamydia, que tem sido relatada em quase todas as populações de coalas do continente australiano. Estudos recentes indicam que ela pode ter se alastrado inicialmente para os marsupiais a partir dos animais levados pelos primeiros colonos europeus para o país 27.

Desconfia-se também que os gatos estejam transmitindo o vírus da leucemia felina (FelV) para grandes felídeos, como o puma (leão-da-montanha), na Califórnia, e a gastrenterite infecciosa para a ameaçada pantera-da-flórida. A peritonite infeciosa dos felinos (PIF) foi diagnosticada em pumas e em linces, e o vírus da imunodeficiência dos felinos (FIV) já foi detectado em panteras-da-flórida e em bobcat ou lince-vermelho 2. Além disso, um estudo realizado no Parque Nacional das Emas e entorno, em Goiás, mostrou que a presença de cães nessa região poderia estar associada à transmissão de parvovírus a gatos-palheiros e onças-pardas, e de parvovírus e cinomose a lobos-guarás, cachorros-do-mato e jaguatiricas 1.

 

Estratégias para mitigação do impacto

Espécies exóticas como cães e gatos vêm causando mudanças dramáticas em todo o sistema ecológico mundial 28. Diversos estudos vêm sendo desenvolvidos para investigar as interações entre animais domésticos e a fauna nativa, e embora tenham sido registrados em muitas unidades de conservação brasileiras 29,30,31,32,33, ainda há muito o que estudar, principalmente para a elaboração de estratégias de manejo voltadas para o controle e a erradicação, assim como para a prevenção de invasões biológicas em locais sujeitos a essa ameaça 34.

Para enfrentar esse cenário, o Ministério do Meio Ambiente instituiu, em agosto de 2018, o Plano de Implementação da Estratégia Nacional para Espécies Exóticas Invasoras, que dispõe de quatro instrumentos principais para a implementação eficaz (Figura 2) 35.

Os seres humanos e os animais domésticos têm relações estreitas em muitas sociedades, e os esforços para reduzir os impactos desses animais sobre a vida selvagem podem, portanto, ser reforçados por políticas públicas que melhorem consideravelmente a compreensão da população a respeito dessa questão 28. Isso pode ser feito por meio de campanhas de conscientização pública que incidam sobre os problemas criados por animais domésticos e indiquem como isso pode ser evitado – por exemplo, recomendando que os tutores mantenham os animais dentro de seus domicílios 36.

Os animais de estimação são considerados membros da família. Dessa maneira, é notória a necessidade de tê-los por perto em atividades recreativas, como os passeios em parques e praias. Essas atividades, quando realizadas onde existe fauna nativa e associadas à ausência de conscientização pelos responsáveis, podem resultar em efeitos deletérios para as espécies nativas. Em parques que autorizam passeios com animais, o uso de coleira é exigido, mas não é respeitado, transformando um lazer que deveria ser inofensivo em um massacre à fauna nativa, tanto pelo estresse provocado pela perseguição, que muitas vezes resulta em óbito de espécies selvagens 10, como pelo abandono e a destruição de ninhos 37,38, o que prejudica a reprodução das aves 39 e leva à perda de biodiversidade.

Como estratégia de controle populacional de gatos ferais, tem-se utilizado a técnica de captura, esterilização e devolução (CED). Como forma de identificação visual, a ponta de uma das orelhas é cortada, evitando que o animal seja capturado e anestesiado novamente. O método CED, associado à adoção responsável dos animais, foi eficaz em um campus universitário da Flórida, no qual 73/155 (47,1%) dos gatos foram adotados durante o estudo 40. Entretanto, há necessidade de mais pesquisas científicas para avaliar a eficácia do método em áreas de conservação ambiental, a fim de sanar dúvidas quanto ao retorno desses gatos para um ambiente selvagem e seus efeitos sobre a fauna nativa 41.

Gatos domésticos, mesmo em condições semidomiciliares – ou seja, que recebem alimento de seus responsáveis –, acabam exercendo comportamento de caça oportunista sobre invertebrados e pequenos animais vertebrados 33,34. O uso de dispositivos como guizos em coleiras pode minimizar a predação de espécies nativas.

 

Considerações finais

Ações continuadas de educação ambiental são importantes em áreas de conservação e em seu entorno ou proximidades (área de amortização) a fim de conscientizar a população, evitando o abandono e o estabelecimento de populações de cães e gatos não domiciliados ou ferais. Essa ações devem salientar a restrição das saídas e passeios de animais, sejam eles castrados ou não, e a importância das vacinações e vermifugações, sempre tendo como objetivo a proteção integrada da saúde animal, humana e ambiental 35.

 

Referências

01-FURTADO, M. M. ; HAYASHI, E. M. K. ; ALLENDORF, S. D. ; COELHO, C. J. ; ALMEIDA JÁCOMO, A. T. ; MEGID, J. ; RAMOS FILHO, J. D. ; SILVEIRA, L. ; TÔRRES, N. M. ; FERREIRA NETO, J. S. Exposure of free-ranging wild carnivores and domestic dogs to canine distemper virus and parvovirus in the cerrado of Central Brazil. EcoHealth, v. 13, n. 3, p. 549-557. doi: 10.1007/s10393-016-1146-4.
02-AMERICAN BIRD CONSERVANCY. Cats and birds: the combination can be disastrous. Although domestic cats (Felis catus) can make wonderful pets, they threaten birds and other wildlife and disrupt ecosystems. American Bird Conservancy, 2019. Disponível em: <https://abcbirds.org/program/cats-indoors/cats-and-birds/> Acesso em 5 de março de 2019.
03-PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA. Resumo executivo do Projeto Rede de Defesa e Proteção Animal da Cidade de Curitiba. 2009. 28 p. Disponível em: <http://www.protecaoanimal.curitiba.pr.gov.br/Publicacoes/Resumo-Plano-Municipal-Defesa-Protecao-Animal.pdf>. Acesso em 5 de fevereiro de 2019.
04-BRASIL. Decreto nº 9.672, de 2 de janeiro de 2019 – Aprova a estrutura regimental e o quadro demonstrativo dos cargos em comissão e das funções de confiança do Ministério do Meio Ambiente, remaneja cargos em comissão e funções de confiança e substitui cargos em comissão do Grupo-Direção e Assessoramento Superiores – DAS por Funções Comissionadas do Poder Executivo – FCPE. Ministério do Maio Ambiente, 2019. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2019/decreto/D9672.htm>. Acesso em 6 de março de 2019.
05-SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS. – Apresentação da Secretaria. SEMA. Disponível em: <http://www.meioambiente.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=171>. Acesso em 6 de março de 2019.
06-AUSTRALIAN GOVERNMENT. Invasive Species. Department of the Environment and Energy, Australia. Disponível em: <https://www.environment.gov.au/biodiversity/invasive-species>. Acesso em 6 de janeiro de 2019.
07-READ, J. L. ; BOWEN, Z. Population dynamics, diet and aspects of the biology of feral cats and foxes in arid South Australia. – Wildlife Research, v. 28, n. 2, p. 195-203, 2001. doi: 10.1071/WR99065.
08-SILVEIRA, E. Gatos voltam à vida selvagem e ameaçam espécies nativas de Fernando de Noronha. BBC News Brasil, 2019. Disponível em: <https://www.bbc.com/portuguese/brasil-47343878>. Acesso em 5 de março de 2019.
09-IBAMA. PORTARIA IBAMA nº 93 / 1998, de 07 de julho 1998. Importação e exportação fauna silvestre. 1998. 8 p. Disponível em: <https://ibama.gov.br/phocadownload/cites/legislacao/1998_ibama_portaria_93_1998_importacao_exportacao_fauna_silvestre__lista_fauna_domestica.pdf>. Acesso em 12 de novembro de 2018.
10-RANGEL, C. H. ; NEIVA, C. H. M. B. Predação de vertebrados por cães Canis lúpus familiaris (Mammalia: Carnivora) no Jardim Botânico do Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Biodiversidade Brasileira, v. 3, n. 2, p. 261-269, 2013. Disponível em: <http://www.icmbio.gov.br/revistaeletronica/index.php/BioBR/article/view/345>. Acesso em 2 de março de 2019.
11-MOURA-BRITTO, M. ; PATROCÍNIO, D. N. M. A fauna de espécies exóticas no Paraná: contexto nacional e situação atual. In: CAMPOS, J. B. ; TOSSULINO, M. G. P. ; MÜLLER, C. R. C. Unidades de Conservação: ações para valorização da biodiversidade. Curitiba: Instituto Ambiental do Paraná, 2006. p. 53-94.
12-PIMENTEL, D. Introduction: nonnative species in the world. In:___. Biological invasions: economic and environmental costs of alien plant, animal, and microbe species. 2. ed. Boca Raton: CRC Press, 2011. p. 1-10. ISBN: 978-1439829905.
13-LODGE, D. M. Biological invasions: lessons for ecology. Trends in Ecology & Evolution, v. 8, n. 4, p. 133-137, 1993. doi: 10.1016/0169-5347(93)90025-K.
14-WHITE, P. C. L. ; FORD-THOMPSON, A. E. S. ; SNELL, C. J. ; HARRIS, S. Economic, environmental, and social dimensions of alien vertebrate species in Britain. In: Pimentel, D. Biological invasions: economic and environmental costs of alien plant, animal, and microbe species. 2. ed. Boca Raton: CRC Press, 2011. p. 129-176. ISBN: 978-1439829905.
15-MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Espécies exóticas invasoras: situação brasileira. Brasília: MMA, 2006. 24 p. ISBN: 85-7738-019-X. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/estruturas/174/_publicacao/174_publicacao17092009113400.pdf>. Acesso em 4 de março de 2019.
16-SECRETARIAT OF THE CONVENTION ON BIOLOGICAL DIVERSITY. Global biodiversity outlook 2. Montreal: CBD, 2006. 81 p. ISBN: 92-9225-040-X. Disponível em: <https://www.cbd.int/doc/gbo/gbo2/cbd-gbo2-en.pdf>. Acesso em 17 de janeiro de 2019.
17-LOSS, S. R. ; WILL, T. ; MARRA, P. P. The impact of free-ranging domestic cats on wildlife of the United States. Nature Communications, v. 4, n. 1396, p. 1-8, 2013. doi: 10.1038/ncomms2380.
18-DIAMOND, J. M. Conservation biology 900 kiwis and a dog. Nature, v. 338, p. 544, 1989.
19-INVASIVE SPECIES SPECIALIST GROUP. Global Invasive Species Database. ISSG, 2019. Disponível em: <http://www.iucngisd.org/gisd/speciesname/Felis+catus>. Acesso em 5 de março de 2019.
20-MEDINA, F. M. ; BONNAUD, E. ; VIDAL, E. ; TERSHY, B. R. ; ZAVALETA, E. S. ; DONLAN, C. J. ; KEITT, B. S. ; LE CORRE, M. ; HORWATH, S. V. ; NOGALES, M. A global review of the impacts of invasive cats on island endangered vertebrates. Global Change Biology, v. 17, n. 11, p. 3503-3510, 2011. doi: 10.1111/j.1365-2486.2011.02464.x.
21-CHAPIN, F. S. ; ZAVALETA, E. S. ; EVINER, V. T. ; NAYLOR, R. L. ; VITOUSEK, P. M. ; REYNOLDS, H. L. ; HOOPER, D. U. ; LAVOREL, S. ; SALA, O. E. ; HOBBIE, S. E. ; MACK, M. C. ; DÍAZ, S. Consequences of changing biodiversity. Nature, v. 405, n. 6783, p. 234-242, 2000. doi: 10.1038/35012241.
22-CENTRO NACIONAL DE PESQUISA E CONSERVAÇÃO DE RÉPTEIS E ANFÍBIOS. ; ICMBIO. Boletim do RAN. ano III, n. 6, p. 1-9, 2016. Disponível em: <http://www.icmbio.gov.br/ran/images/stories/publicacoes/boletins_informativos/Boletim_RAN_Ano3_Nº_6_1ºSemestre_20.07.2016.pdf>. Acesso em 5 março de 2019.
23-TRÍADE. Programa de Manejo de Espécies Invasoras no Arquipélago de Fernando de Noronha. Tríade – Instituto Brasileiro para Medicina da Conservação. 2015. Disponível em: <http://www.triade.org.br/especies-invasoras-em-ambientes-insulare>. Acesso em 5 de março de 2019.
24-BELLARD, C. ; GENOVESI, P. ; JESCHKE, J. M. Global patterns in threats to vertebrates by biological invasions. Proceedings of the Royal Society B, v. 283, n. 1823, p. 2015-2454, 2016. doi: 10.1098/rspb.2015.2454.
25-AUSTRALIAN GOVERNMENT. Listed key threatening processes. Australia: Department of the Environment and Energy. Disponível em: <https://www.environment.gov.au/cgi-bin/sprat/public/publicgetkeythreats.pl>. Acesso em 11 de fevereiro de 2019.
26-AUSTRALIAN GOVERNMENT. Feral animals in Australia. Australia: Department of the Environment and Energy. Disponível em: <https://www.environment.gov.au/biodiversity/invasive-species/feral-animals-australia>. Acesso em 11 de fevereiro de 2019.
27-POLKINGHORNE, A. ; HANGER, J. ; TIMMS, P. Recent advances in understanding the biology, epidemiology and control of chlamydial infections in koalas. Veterinary Microbiology, v. 165, n. 3-4, p. 214-223, 2013. doi: 10.1016/j.vetmic.2013.02.026.
28-GUREVITCH, J. ; PADILLA, D. K. Are invasive species a major cause of extinctions? Trends in Ecology and Evolution, v. 19, n. 9, p. 470-474, 2004. doi: 10.1016/j.tree.2004.07.005.
29-CAMPOS, C. B. ; ESTEVES, C. F. ; FERRAZ, K. M. P. M. B. ; CRAWSHAW Jr., P. G. ; VERDADE, L. M. Diet of free-ranging cats and dogs in a suburban and rural environment, south-eastern Brazil. Journal of Zoology, v. 273, n. 2007, p. 14-20, 2007. ISSN: 0952-8369.
30-OLIVEIRA, V. B. ; LINARES, A. M. ; CORRÊA, G. L. C. ; CHIARELLO, A. G. Predação de macaco-prego Cebus nigritus (Primates: Cebidae) por cães domésticos Canis lupus familiaris (Carnivora: Canidae), no Parque Estadual da Serra do Brigadeiro, Minas Gerais, Brasil. Revista Brasileira de Zoologia, v. 25, n. 2, p. 376-378, 2008. doi: 10.1590/S0101-81752008000200026.
31-LACERDA, A. C. R. ; TOMAS, W. M. ; MARINHO-FILHO, J. Domestic dogs as an edge effect in the Brasília National Park, Brazil: interactions with native mammals. Animal Conservation, v. 12, n. 5, p. 477-487, 2009. doi: 10.1111/j.1469-1795.2009.00277.x.
32-FERREIRA, G. A. ; NAKANO-OLIVEIRA, E. ; GENARO, G. Gatos: vilões ou vítimas? Revista Expedição de Campo, v. 3, p. 22-26, 2012.
33-FERREIRA, G. A. ; NAKANO-OLIVEIRA, E. ; GENARO, G. Domestic cat predation on Neotropical species in an insular Atlantic Forest remnant in southeastern Brazil. Wildlife Biology, v. 20, n. 3, p. 167-175, 2014. doi: 10.2981/wlb.13131.
34-FERREIRA, G. A. Gatos domésticos em ambiente insular de Mata Atlântica: potenciais impactos sobre mamíferos silvestres e a castração como estratégia para conservação. 2016. 167 f. Tese (Doutorado em Ecologia Aplicada ao Manejo e Conservação de Recursos Naturais) – Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2016. Disponível em: <https://repositorio.ufjf.br/jspui/bitstream/ufjf/1848/1/giovanneambrosioferreira.pdf>. Acesso em 6 de março de 2019.
35-BRASIL. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. SECRETARIA DE BIODIVERSIDADE. Portaria nº 03, de 16 de agosto de 2018. Institui o Plano de Implementação da Estratégia Nacional para Espécies Exóticas Invasoras. Diário Oficial da União, 2018. p. 75. ISSN: 1677-7042.
36-YOUNG, J. K. ; OLSON, K. A. ; READING, R. P. ; AMGALANBAATAR, S. ; BERGER, J. Is wildlife going to the dogs? Impacts of feral and free-roaming dogs on wildlife populations. BioScience, v. 61, n. 2, p. 125-132, 2011. doi: 10.1525/bio.2011.61.2.7.
37-WESTON, M. A. Managing the hooded plover in Victoria: a review of existing information. Parks Victoria Technical Series n. 4. Melbourne Victoria: Parks Victoria, 2003. 236 p. ISSN: 1448-4935.
38-FISH AND WILDLIFE SERVICE. Recovery plan for the pacific coast population of the Western Snowy Plover (Charadrius alexandrinus nivosus). Volume 1: Recovery Plan. Sacramento: US Fish and Wildlife Service. 2007. 272 p. Disponível em: <http://www.westernsnowyplover.org/pdfs/WSP%20Final%20RP%2010-1-07.pdf>. Acesso em 2 de junho de 2018.
39-CEMAVE. ICMBIO. Sumário executivo do plano de ação nacional para conservação das aves limícolas migratórias. Brasília, 2013. Disponível em: <http://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/docs-plano-de-acao/pan-aves-limicolas-migratorias/sumario-aves-limicolas.pdf>. Acesso em 26 de Junho de 2018.
40-LEVY, J. K. ; GALE, D. W. ; GALE, L. A. Evaluation of the effect of a long-term trap-neuter-return and adoption program on a free-roaming cat population. Journal of the American Veterinary Medical Association, v. 222, n. 1, p. 42-46, 2003. doi: 10.2460/javma.2003.222.42.
41-LONGCORE, T. ; RICH, C. ; SULLIVAN, L. M. Critical assessment of claims regarding management of feral cats by trap-neuter-return. Conservation Biology, v. 23, n. 4, p. 887-894, 2009. doi: 10.1111/j.1523-1739.2009.01174.x.

 

Autores

Thamiris Figueiredo da Silva
MV, CRMV-DF 3.211,
aluna de mestrado – UnB
thamifs@yahoo.com.br

 

 

Amanda Haisi
Bacharel em MV, aluna de mestrado
Unesp-Botucatu
amanda.haisi@gmail.com

 

 

Ana Pérola Drulla Brandão
Bacharel em MV, mestre, aluna de doutorado
FMVZ/USP
anaperola@usp.br

 

 

Silvia Neri Godoy
MV, CRMV-SP 10.925
ICMBio. CNPCMC
silvia.godoy@icmbio.gov.br

 

 

Alexander Welker Biondo
MV, CRMV-PR 6.203, MSc, PhD., prof.
Depto. Medicina Veterinária – UFPR
abiondo@ufpr.br

Natan Chaves

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Por favor aguarde...

Inscreva-se na nossa Newsletter!

Você gostaria de manter-se atualizado com os eventos veterinários nacionais e internacionais mais importantes? Digite o seu endereço de e-mail e nome abaixo e receba updates que deveriam estar no calendário de qualquer veterinário!
0

Your Cart