Edições Anteriores

Edição N. 94

setembro/outubro - Ano XVI, 2011

Oftalmologia

Autor(es): Cássia Regina de Abreu ; Cristiane dos Santos Honsho Aline Adriana Bolzan Arianne Pontes Oriá


Sequestro corneal felino - revisão

Das oftalmopatias que acometem os felinos, o sequestro corneal merece destaque. Descrito pela primeira vez em 1964, é considerado condição única dos felinos, conquanto tenha sido relatado em outras espécies. O sequestro corneal caracteriza-se pela presença de placa enegrecida na região central ou paracentral da córnea, podendo acometer todas as raças de gatos, a despeito da maior casuística em persas, siameses, himalaios e domésticos de pelo curto. Vários fatores contribuem com o seu desenvolvimento, como predisposição racial, úlceras corneais recorrentes, infecções virais e bacterianas, traumas oculares, doenças dos anexos e ceratoconjuntivite seca. Usualmente, a resolução do problema ocorre com a remoção da lesão. Com este trabalho, objetiva-se explanar o sequestro corneal em felinos e as condutas terapêuticas preconizadas.

Unitermos: necrose, ceratite, herpes-vírus felino


Diagnóstico por imagem

Autor(es): Tilde Rodrigues Froes ; Alexandre Schmaedecke Andre Jayr Casagrande Daniela Aparecida Ayres Garcia Renato Silva de Souza


Fratura fisária espontânea da cabeça femoral em gato - relato de caso

As fraturas fisárias da cabeça femoral usualmente são relacionadas a lesões traumáticas em gatos. Entretanto, alguns pesquisadores indicam que essas fraturas possam ocorrer de forma espontânea e talvez correlacionada a displasia fisária, que consiste na retenção do tecido cartilaginoso após o tempo do fechamento dos núcleos de crescimento. O termo deslizamento da epífise femoral também pode ser considerado, associado à displasia fisária. Descreve-se o caso confirmado de fratura fisária espontânea da cabeça femoral em um gato macho, castrado, de dez meses de idade. As características clinicas, radiográficas e histopatológicas descritas suportam esse diagnóstico. O aspecto radiográfico visibilizado de reabsorção do colo femoral resultando em uma aparência de coração de maçã é o que mais chama atenção no relato, em conjunto com as discussões da literatura sobre a etiopatogenia envolvida nesse processo.

Unitermos: felino, displasia, fêmur


Diagnóstico por imagem

Autor(es): Thassila Caccia Feragi Cintra ; Júlio Carlos Canola Cibele Figueira Carvalho Anelise Carvalho Nepomuceno


Ultrassonografia transcraniana em cães - revisão de literatura

O interesse pelo estudo do sistema nervoso central vem crescendo na medicina veterinária. A ultrassonografia foi o primeiro meio de diagnóstico por imagem empregado na investigação do encéfalo, especialmente para filhotes, com as vantagens de não ser invasiva, ser de rápida execução e de baixo custo comparada à tomografia computadorizada. Na medicina veterinária, cães com menos de um mês de idade podem ser avaliados através da fontanela bregmática. Os equipamentos modernos, com o avanço do processamento do sinal, tÍem refinado a resolução da imagem, tornando possível o estudo ultrassonogr·fico transcraniano. No entanto, existe uma lacuna na literatura no que se refere à padronização da técnica ultrassonográica transcraniana para cães como método diagnóstico na rotina médico-hospitalar.

Unitermos: canino, ultrassom, encefalo


Diagnóstico por imagem

Autor(es): Lorena Adão Vescovi Séllos Costa ; Daniel Capucho de Oliveira Jannine Garcia Forattini Flaviana Lima Guião Leite João Luiz Rossi Júnior Fabiano Séllos Costa


Utilização da tomografia computadorizada para avaliação pulmonar de quelônios - revisão de literatura

As técnicas de diagnóstico por imagem podem contribuir significativamente para o manejo clínico e cirúrgico de quelônios. A tomografia computadorizada (TC) é uma técnica recente e que oferece grandes vantagens para a detecção de alterações em diversos órgãos. Os aparelhos helicoidais de TC permitem a realização de exames em curto espaço de tempo e com alta definição das imagens geradas. Os exames de TC apresentam grande contribuição para a avaliação do sistema respiratório em quelônios, por causa da baixa frequência respiratória desses animais, associada ao alto contraste dessa região, em decorrência da presença de ar nos pulmões e nas vias aéreas. O presente trabalho tem o objetivo de realizar uma revisão de literatura envolvendo aspectos referentes às indicações, à técnica de exame, à anatomia tomográfica e à importância da TC para o diagnóstico de enfermidades pulmonares em quelônios.

Unitermos: diagnóstico por imagem, TC, animais silvestres, répteis, pulmão


Cirurgia

Autor(es): Renato Dornas de Oliveira Pereira ; Christina Malm


Aspectos clínicos e cirúrgicos das mucoceles salivares em cães

As mucoceles salivares estão entre as principais doenças das glândulas salivares dos cães. A doença pode surgir a partir de uma lesão de qualquer glândula ou ducto salivar. Dependendo do sítio da lesão, os cães podem desenvolver mucoceles cervicais, sublinguais, faríngeas, parotídeas ou zigomáticas. O diagnóstico geralmente é estabelecido com base no histórico, no exame clínico e na análise do fluido obtido por paracentese. O tratamento definitivo exige ressecção das glândulas acometidas e drenagem da mucocele. Também é possível realizar a marsupialização das mucoceles sublinguais e faríngeas. As complicações pós-operatórias podem incluir formação de seroma, infecção e recorrência da mucocele. O objetivo deste trabalho é analisar e discutir os principais aspectos clínicos e cirúrgicos das mucoceles salivares nos cães.

Unitermos: glândulas salivares, diagnóstico, cirurgia


Genética

Autor(es): Aníbal Souza Felipe-Silva ; Denise Aparecida Andrade de Oliveira Vicente Ribeiro do Vale Filho


Marcadores de DNA na evolução da cinofilia brasileira - os testes de parentesco

Os marcadores de DNA permitem identificar com elevada acurácia o parentesco em cães de raças puras. Isso vem revolucionando a cinofilia em todo o mundo, favorecendo a credibilidade e o desenvolvimento do setor. Informações fidedignas são fundamentais em medicina veterinária, com destaque para a utilização das biotécnicas da reprodução, principalmente a criopreservação e a criação de bancos de sêmen canino, assim como a identificação e a prevenção de doenças genéticas, tornando-se indispensáveis na criação moderna de cães. Uma vez que das análises genéticas baseadas em pedigrees podem resultar erros, gerando transtornos técnicos e prejuízos, objetivou-se demonstrar neste artigo a necessidade do refinamento da seleção pelo pedigree, por meio da obrigatoriedade dos testes de DNA para a cinofilia brasileira.

Unitermos: cão, testes genéticos, raça pura, linhagem


Neurologia

Autor(es): Eduardo Alberto Tudury ; Bruno Martins Araújo Michelle Suassuna de Azevedo Rêgo Aline Talina Berlim Cássia Regina Oliveira Santos Valdemiro Amaro da Silva Junior Amanda Camilo Silva Marcella Luiz de Figueiredo


Meningoencefalocele congênita em cão - relato de caso

O presente trabalho relata o caso de uma cadela maltesa de dois meses de idade que desde o nascimento exibia proeminência volumosa na região frontal do crânio e andava em círculos amplos. Diante dos achados do exame físico e neurológico, suspeitou-se de uma herniação meníngea e/ou encefálica, sendo realizado exame de transiluminação e ultrassonográfico da região, pelos quais foi possível diagnosticar uma meningoencefalocele congênita e optar pelo tratamento cirúrgico. Dez dias após o procedimento cirúrgico, através do qual foram excisados os tecidos encefálicos herniados, não foram observadas complicações pós- operatórias. Três meses após a cirurgia, foi realizada a última consulta clínica. O animal apresentava melhora do estado mental e diminuição do andar em círculos, situação mantida por nove meses, conforme informação telefônica do proprietário.

Unitermos: anormalidades congênitas, encefalocele, cirurgia


Neurologia

Autor(es): Maíra Santos Severo ; Felipe Purcell de Araújo Ana Carolina Medeiros de Almeida Eduardo Alberto Tudury


Neuropatia isquiática por injeção intramuscular - revisão da literatura e relato de dois casos

O objetivo deste trabalho é relatar dois casos de neurotoxicidade isquiática após a administração de diaceturato de diminazene em cães, por via intramuscular na região caudal da coxa. Foram atendidos no Hospital Veterinário da UFRPE dois caninos com neuropatia isquiática grave, após aplicação intramuscular de diaceturato de diminazene. Os animais apresentavam claudicação do membro pélvico esquerdo com ausência de propriocepção consciente, reflexos segmentares ausentes (exceto o reflexo femoral), além de ausência de sensibilidade dolorosa profunda em toda a região dorsolateral do tarso esquerdo. Ambos os pacientes foram tratados com protocolo fisioterápico associado a acupuntura, sendo o segundo paciente também submetido a cirurgia de neurólise do nervo isquiático. Os dois obtiveram retorno funcional do membro afetado. Acredita-se que a ação tóxica do diaceturato de diminazene no tecido nervoso também ocorre perifericamente, visto que a aplicação intramuscular deste em ambos os cães acarretou sinais graves de neuropatia isquiática.

Unitermos: lesão, neurotoxicidade, ciático


Endocrinologia

Autor(es): Lucas Magalhães Lara ; Mariana Cassins Galdino


Obesidade canina - abordagem diagnóstica, nutricional e reabilitação

A obesidade é considerada uma doença metabólica com consequências graves. É definida como um acúmulo excessivo de gordura corpórea, derivada de um desequilíbrio crônico entre a energia ingerida e a energia gasta. Os problemas decorrentes são os distúrbios do aparelho locomotor, a hipertensão arterial, prejuízos à resposta imunológica e aumento da incidência de diabetes melito tipo II. Entre outros métodos diagnósticos, destaca-se a palpação do tórax e do abdômen inferior do animal, avaliando-se a espessura do tecido celular subcutâneo. O objetivo básico do tratamento da obesidade é criar uma situação de balanço energético negativo. A fisioterapia veterinária apresenta exercícios físicos como a forma mais eficiente de aumentar o gasto energético. A prevenção é a melhor forma de combate à obesidade.

Unitermos: cães, emagrecimento, fisioterapia, atividade física, prevenção


Oncologia

Autor(es): Fernanda Vieira Amorim da Costa ; Otávia Dorigon Christiane Aguero da Silva Heloisa Justen Moreira de Souza Elan Cardozo Paes de Almeida Cristiane Brandão Damico


Mesotelioma peritoneal em um gato - relato de caso

O mesotelioma é um neoplasma que se origina de membranas de revestimento, como a pleura, o pericárdio e a cavidade peritoneal. O presente trabalho descreve um caso de mesotelioma peritoneal em um gato sem raça definida, macho, de dez anos de idade. O animal apresentava histórico de emagrecimento progressivo e distensão abdominal havia uma semana. O exame ultrassonográfico demonstrou presença de líquido livre na cavidade abdominal e uma massa irregular na região mesogástrica aderida a vários segmentos das alças intestinais e ao pâncreas. A análise citopatológica do líquido abdominal sugeriu tratar-se de mesotelioma carcinomatoso abdominal. O animal veio a óbito naturalmente duas semanas depois. A avaliação histopatológica dos órgãos afetados confirmou o diagnóstico de mesotelioma peritoneal. O mesotelioma em gatos é raro, mas deve ser sempre investigado em animais que possuem efusões cavitárias.

Unitermos: felino, tumor, abdominal, citologia


Botão Edições anteriores