Edições Anteriores

Edição N. 64

setembro/outubro - Ano XI, 2006

Anestesiologia

Autor(es): Sérgio Ricardo A. de Melo Silva ; Pedro Isidro da Nóbrega Neto, Eduardo Alberto Tudury, Denise T. Fantoni


Anestesia de caes e gatos com distúrbios neurológicos - artigo de revisao

As desordens neurológicas que acometem cães e gatos podem repercutir sobre as funções respiratória, cardiovascular, homeotérmica, além de provocar excitabilidade neuromuscular e alterações de consciência e comportamento, dentre outras. Para minimizar os efeitos deletérios causados por essas alterações, o anestesiologista deve preservar as funções orgânicas, evitando o desenvolvimento de hipóxia, hipercapnia, hipotermia e instabilidade cardiovascular, entre outras intercorrências, baseado em conhecimentos de neuroanatomia, neurofisiologia e fisiopatologia dos distúrbios neurológicos. A presente revisão objetiva compilar informações importantes para os profissionais da área que recebem pacientes com distúrbios neurológicos, para que possam aumentar as possibilidades de sobrevivência destes e evitar as repercussões indesejáveis dos anestésicos sobre o sistema nervoso, além de minimizar os transtornos já existentes.

Unitermos: Anestésicos, neurologia, terapia


Cardiologia

Autor(es): Vivian Cristina Schwantes Acadêmica do Curso de Medicina Veterinária, UFRGS ; Simone Tostes de Oliveira


Cardiomiopatia do boxer: revisao de literatura

A cardiomiopatia do boxer é uma doença familiar herdada que, em virtude de sua semelhança clínica e histopatológica com a cardiomiopatia arritmogênica ventricular direita (CAVD) dos humanos, vem sendo denominada de CAVD do boxer. A apresentação clínica de arritmia sem insuficiência cardíaca (IC) é uma particularidade na cardiomiopatia do boxer. Os cães podem permanecer assintomáticos ou apresentar sinais como síncope ou morte súbita. Uma pequena parcela dos animais afetados desenvolve IC esquerda e sinais de IC congestiva. O diagnóstico de CAVD baseia-se em uma combinação de fatores, como histórico familiar, exame eletrocardiográfico com Holter de 24 horas e achados histológicos de infiltração adiposa ou fibroadiposa no miocárdio. O tratamento geralmente é direcionado ao uso de antiarrítmicos, na tentativa de diminuir as arritmias ventriculares e os episódios de síncope. A suplementação com L-carnitina promove melhora da função cardíaca em alguns cães.

Unitermos: Cães, arritmia, complexo ventricular prematuro, síncope


Clínica médica

Autor(es): Paula Nunes Rosato ; Fernanda Gomes Velasque Gama, Marcia Ferreira da Rosa Sobreira, Aureo Evangelista Santana


Aspectos clínico-patológicos das efusoes corporais: revisao de literatura

"Normalmente, um pequeno volume de fluido encontra-se presente nas cavidades corporais esse fluido atua como lubrificante durante a movimentação dos órgãos. O volume de um fluido cavitário é determinado pelo equilíbrio existente entre sua formação - que ocorre através da ultrafiltração do sangue - e sua absorção - realizada através dos vasos linfáticos e capilares. A efusão é o acúmulo anormal de fluido em qualquer cavidade corporal revestida por células mesoteliais, como a torácica, a pericárdica e a abdominal. Esse distúrbio não deve ser considerado uma enfermidade em si, mas sinal de um processo patológico associado ao aumento da produção ou da diminuição na remoção do líquido intracavitário. Assim, recomenda-se a avaliação desse fluido para que, em conjunto com os sinais clínicos apresentados pelo paciente, seja possível firmar um possível diagnóstico e instituir a ação terapêutica adequada."

Unitermos: Efusão pleural, efusão peritoneal, efusão pericardica, fluidos cavitários


Clínica médica

Autor(es): Patrícia da Silva Nascente ; Melissa O. Xavier, Cristiano Silva da Rosa, Lorena Leonardo Souza, Mário Carlos Araújo Meireles, João Roberto de Braga Mello


Hipersensibilidade alimentar em caes e gatos

A alergia ou hipersensibilidade alimentar (HA) é um tipo de reação ao alimento com base imunológica, cuja patogenia é pouco conhecida. Um pequeno número de cães e gatos desenvolve sinais clínicos devido a essa reação imunológica, desencadeada pela ingestão de antígenos específicos da dieta, geralmente proteínas ou glicoproteínas. A HA está associada a prurido de intensidade variável, generalizado ou similar àquele encontrado na atopia e na hipersensibilidade à picada de pulga. Os sinais clínicos não são sazonais e apresentam pouca resposta à terapia com glicocorticóides. A idade dos cães que apresentam a enfermidade varia de seis meses a 12 anos. Essa enfermidade, de importância na clínica de cães e gatos, é revisada no presente trabalho.

Unitermos: Pequenos animais, alergia


Clínica médica

Autor(es): Sylvia de Almeida Diniz ; João Pedro Andrade-Neto, Fernando Yutaka Moniwa Hosomi, Kalan Bastos Violin, Adriano Tony Ramos, Gisele Fabrino Machado, Paulo César Maiorka


Encefalite do cao pug: primeiro diagnóstico no Brasil

Um cão macho de sete meses da raça pug foi levado para avaliação clínica por apresentar quadro de disfagia, crises com tremores, micção involuntária, opistótono e andar em círculos. Provas sorológicas foram negativas para dirofilariose, erlichiose e borreliose, e a reação em cadeia pela polimerase (PCR) para cinomose também foi negativa. Foi instaurada corticoideterapia com melhora acentuada do quadro. Porém, ao longo de seis meses, o quadro evoluiu para tetraplegia e amaurose, o que levou o proprietário a optar pela eutanásia. O exame necroscópico permitiu a observação de deformidades e achatamento do córtex cerebral nas regiões parietal, temporal e occipital, com áreas de malácia e dilatação ventricular. Ao exame histopatológico constatou-se meningoencefalite não-supurativa, com acentuada necrose de substância cinzenta cortical. Os achados clínicos e anatomopatológicos permitem concluir ser este o primeiro diagnóstico de encefalite necrotizante do cão pug no Brasil.

Unitermos: Doença do sistema nervoso, patologia, necrose


Oftalmologia

Autor(es): Fábio Luiz da Cunha Brito ; Leucio Câmara Alves, José Luiz Laus


Manifestacoes oculares na leishmaniose visceral canina - revisao

Uma das mais singulares manifestações clínicas decorrentes do calazar canino são as afecções oculares. Podem ser observadas desde pequenas alterações nos anexos oftálmicos até a perda da visão. Ambos os segmentos oftálmicos podem estar acometidos, porém o anterior é notadamente o mais afetado. A uveíte e a conjuntivite são as condições mais comumente observadas em cães infectados. Na etiopatogenia das lesões, estão envolvidas a presença local do parasito e mecanismos imunogênicos. Embora menos freqüentes que outros sinais clínicos - ou até mesmo ausentes em certos casos -, as afecções oculares, quando presentes, devem ser incluídas no diagnóstico diferencial de outras oftalmopatias, principalmente em animais procedentes de áreas endêmicas.

Unitermos: Cães, olho, Leishmania


Oncologia

Autor(es): Lucia Maria Guedes Silveira ; Fernando Malagutti Cunha, Caio Biasi, Priscyla Taboada Dias da Silva, Milton Kolber, Cássio Ricardo Auada Ferrigno


Osteossarcoma extra-esquelético no tecido subcuta^neo de um cao: relato de caso

O osteossarcoma extra-esquelético é uma desordem neoplásica maligna rara no cão, cujo diagnóstico baseia-se na histopatologia e no descarte da existência de sítio neoplásico ósseo primário por meio de exames apropriados. Um cão da raça labrador retriever, fêmea, com oito anos de idade, foi atendido no serviço de cirurgia do Hospital Veterinário da Universidade Paulista, apresentando formação de consistência firme no tecido subcutâneo da região torácica lateral esquerda. O diagnóstico baseou-se na análise histológica e na exclusão de neoplasia esquelética primária por meio de exames radiográficos. O cão foi submetido à quimioterapia com doxorrubicina e carboplatina, porém 50 dias após o diagnóstico, foi notificado o óbito do paciente.

Unitermos: Oncologia, neoplasia, tecidos moles


Botão Edições anteriores