Edições Anteriores

Edição N. 52

setembro/outubro - Ano IX,2004

Dermatologia

Autor(es): Lissandro Gonçalves Conceição ; Fabrícia Hallack Loures, Jana Tessarolo Clemente, Viciany Erique Fabris


Biópsia e histopatologia da pele: um valioso recurso diagnóstico na dermatologia -revisão - parte 2

O exame histopatológico da pele é um importante recurso diagnóstico na dermatologia veterinária. Para obter o máximo proveito desse recurso, é fundamental que o clínico esteja informado sobre todas as etapas que influenciam o resultado. É papel do clínico conhecer as indicações e limitações do exame, o instrumental e as técnicas adequadas, escolher adequadamente o local da biópsia, fixar adequadamente o espécime, escolher a quem enviar o material e dominar o vocabulário dermatopatológico. Ao patologista cabe processar adequadamente a amostra, estar familiarizado com a dermatopatologia e com as principais síndromes clínicas, objetivando uma boa correlação anatomoclínica. Os principais padrões histopatológicos da pele são: dermatite perivascular, intersticial, pustular/vesicular intra e subepidérmica, de interface, nodular, difusa, fibrosante, vasculite, foliculite, panículite e dermatose atrófica.

Unitermos: Biópsia de pele, dermatopatologia, histopatologia da pele, dermatologia


Oncologia

Autor(es): Taís Marchand Rocha ; Marconi Rodrigues de Farias, Antônio Felipe P. de Figueiredo Wouk, Silvana Maris Círio, Liv Cristina Miara


Mastocitoma em cães - revisão

O mastocitoma caracteriza-se por transformações neoplásicas e proliferação anormal de mastócitos de origem cutânea ou visceral. Apesar das diferentes classificações histológicas e dos estágios clínicos da doença, todo mastocitoma deve ser considerado maligno, pois apresenta comportamento clínico variável e imprevisível, e deve ser objeto de investigação pelo seu potencial metastático e pelos distúrbios paraneoplásicos que promove. O presente artigo tem como objetivo revisar a literatura especializada no que concerne à etiologia, à epidemiologia, aos aspectos clínicos cutâneos e viscerais e às síndromes paraneoplásicas do mastocitoma em cães. O entendimento desses aspectos permite a identificação e o diagnóstico precoce dos animais acometidos, aumentando a eficácia do tratamento e o tempo de sobrevida desses pacientes.

Unitermos: Mastocitoma, neoplasia, mastócito, cães


Cirurgia

Autor(es): Patrícia Ferreira de Castro ; Julia Maria Matera, Denise Tabachi Fantoni, Marta Brito Guimarães


Uso de pino de aço intramedular na reparação de fraturas de ossos longos em psitacídeos

Nos pássaros, a fixação interna é aquela que apresenta maior possibilidade de obter redução da fratura com alinhamento anatômico preciso, promovendo um resultado funcional favorável. Embora o uso do pino intramedular se constitua na forma mais comum de fixação interna em cirurgia veterinária, os resultados do seu emprego em aves são pouco descritos, e muitas vezes tal procedimento é desestimulado. Neste artigo relata-se a utilização do pino de aço intramedular na reparação de fraturas de úmero (1), de fêmur (1) e de tibiotarso (1) em três papagaios, e de tibiotarso (2) em duas araras. Em todas as aves a evolução foi favorável, com formação de calo ósseo, retorno à função normal e ausência de qualquer complicação a articulações, tendões ou ligamentos, o que demonstra que essa técnica é segura e adequada como método de fixação interna para fraturas de ossos longos em psitacídeos mantidos em cativeiro.

Unitermos: Aves, cirurgia, osteossíntese


Odontologia

Autor(es): Marco Antônio Gioso ; Vanessa Graciela Gomes Carvalho


Métodos preventivos para a manutenção da boa saúde bucal em cães e gatos

A doença periodontal, além de causar desconforto ao animal, pode promover outras doenças à distância. Conseqüentemente, a prevenção desse tipo de agravo é de extrema importância para a saúde bucal e geral dos animais. Assim sendo, o presente trabalho propõe-se a discutir os diferentes métodos de controle da placa bacteriana e do cálculo dentário em animais de companhia, e como realizá-los. A escovação dos dentes é o método mais efetivo para a remoção de placa e a prevenção da doença, e deve ser realizada freqüentemente, com técnicas e materiais apropriados para o bom desempenho do procedimento. O uso de objetos mastigatórios para a higiene bucal - tais como ossos, biscoitos e dietas específicas para controle da placa - é um adjunto à profilaxia e pode ser recomendado. Além disso, podem ser empregados anti-sépticos orais e diferentes tipos de antibióticos (ou associações entre estes) que, em estágios iniciais da doença ou logo após o ato cirúrgico, colaboram no controle químico da placa, reduzindo a bacteremia durante o transoperatório e o controle da infecção na fase pós-cirúrgica, entre outras indicações.

Unitermos: Prevenção, doença periodontal, cão, gato


Oftalmologia

Autor(es): Cintia A. Lopes Godoy ; Angélica Mendonça Vaz Safatle, Mirian Siliane Batista Souza, Paulo Sergio de Moraes Barros


Síndrome uveodermatológica - relato de caso em chow chow

A síndrome uveodermatológica, distúrbio que apresenta sinais oculares e cutâneos, tem sido descrita freqüentemente em cães da raça akita e, mais raramente, em outras raças. Por muito tempo, foi denominada síndrome de Vogt-Koyanagi-Harada like, devido à semelhança com a síndrome que afeta o homem. É uma doença de acometimento ocular, de caráter bilateral e inflamatório granulomatoso multissistêmico de curso crônico. A causa dessa moléstia ainda é desconhecida mas, desde 1969, evidências substanciais de que se trata de uma doença imunomediada na qual os melanócitos são as células alvo, têm sido encontradas. O presente artigo descreve, pela primeira vez no Brasil, a síndrome uveodermatológica em cão da raça chow chow.

Unitermos: Despigmentação cutânea, uveíte, síndrome uveodermatológica (SUD), síndrome de Vogt-Koyanagi-Harada (SVKH)


Botão Edições anteriores