Edições Anteriores

Edição N. 50

maio/junho - Ano IX,2004

Cirurgia

Autor(es): Khadije Hette ; Sheila Canevese Rahal


Defeitos congênitos do palato em cães. Revisão da literatura e relato de três casos

Os defeitos congênitos do palato são pouco freqüentes em cães, e os braquicefálicos são os mais predispostos. Os palatos primário, secundário ou ambos podem ser acometidos. As fendas palatinas primárias são aquelas localizadas cranialmente ao forame incisivo e envolvem o lábio, e as fendas secundárias ocorrem caudalmente ao forame incisivo. A técnica cirúrgica adotada para a correção dessas deformidades deve ser determinada de acordo com as condições do paciente. A identificação precoce da lesão favorece a instituição de medidas terapêuticas e de suporte nutricional. A possibilidade de envolvimento hereditário inviabiliza a utilização do animal para fins reprodutivos. Assim, o objetivo do presente trabalho é discorrer sobre a anatomia, a etiologia, a embriogênese e os aspectos clínicos e cirúrgicos das fendas palatinas congênitas em cães, bem como relatar três casos encaminhados ao hospital veterinário da UNESP, campus de Botucatu.

Unitermos: Fendas, palato primário, palato secundário, anomalia, tratamento, cães


Anestesiologia

Autor(es): Valéria Nobre Leal de Souza Oliva ; Camila Aparecida Almeida Maia, Bruno Monteiro da Silva, Lilian Mieko Saito, Sílvia Helena Venturoli Perri


Avaliação clínica de diferentes antiinflamatórios não-esteróides na analgesia pós-operatória de cirurgias ortopédicas em cães

A analgesia pós-operatória, especialmente em ortopedia, é prática indispensável em medicina veterinária tanto sob o ponto de vista ético quanto com relação à conduta clínica. O efeito analgésico de quatro antiinflamatórios não-esteróides (vedaprofeno, cetorolac, carprofeno e cetoprofeno) foi estudado em 35 cães submetidos a osteossínteses e acompanhados, durante três dias após a cirurgia, por meio de visitas domiciliares, observando-se variáveis quantitativas e não-quantitativas. Embora os proprietários dos animais tenham identificado diferenças significativas na ingestão de água e na emissão de sons sugestivos de dor entre os animais dos quatro grupos, pode-se concluir, quando consideradas todas as variáveis estudadas, que a analgesia promovida pelos quatro fármacos é equivalente e a escolha do tratamento para o pós-operatório de cirurgias ortopédicas deve se basear no custo/benefício ou na preferência do proprietário pela apresentação do produto.

Unitermos: Analgesia, cão, vedaprofeno, cetoprofeno, carprofeno, cetorolac


Reprodução

Autor(es): Alexandre Rodrigues Silva ; Sandra Satzinger, Lucilma Gurgel Leite, Lúcia Daniel Machado da Silva


Gestação obtida por inseminação artificial com sêmen canino refrigerado transportado à distância — relato de caso

Atualmente, o desenvolvimento de protocolos de preservação espermática para o transporte de sêmen dentro e entre países tem despertado o interesse de médicos veterinários e criadores de cães. O presente trabalho descreve a obtenção de gestação a partir de inseminação artificial com sêmen canino refrigerado e transportado à distância. O sêmen de um cão reprodutor da raça doberman foi coletado por estimulação manual. Após avaliações qualitativa e quantitativa, o sêmen foi diluído em Tris-Gema e acondicionado em uma caixa de isopor contendo gelo biológico a uma temperatura de cerca de 5 °C. O material foi despachado por via aérea de São Paulo (SP) a Fortaleza (CE). Chegando ao seu destino, o sêmen foi reavaliado, e procedeu-se à inseminação artificial intravaginal de uma cadela da mesma raça do reprodutor. O tempo total entre a coleta do sêmen e a realização da inseminação artificial foi de 13 horas. A gestação foi confirmada e acompanhada por ultra-sonografia. O procedimento resultou no nascimento de oito filhotes, dos quais cinco encontram-se vivos e saudáveis.

Unitermos: Sêmen, cão, inseminação artificial, refrigeração, reprodução


Doenças infecciosas

Autor(es): Raquel Rubia Rech ; Dominguita Lühers Graça, Claudio Severo Lombardo de Barros


Pitiose em um cão: relato de caso e diagnósticos diferenciais

A pitiose é uma doença granulomatosa crônica causada pelo Pythium insidiosum, um fungo zoospórico do reino Stramenopila, filo Oomycota, família Pythiaceae. Afeta principalmente o tecido subcutâneo de eqüinos, mas tem sido descrita também em outras espécies. É pouco freqüente em cães e em geral afeta machos de raças de grande porte, com menos de três anos de idade, usualmente na forma gastrintestinal. Os sinais clínicos incluem vômito, diarréia, perda de peso e, ocasionalmente massa palpável no abdômen. As lesões são freqüentemente encontradas no estômago e intestino delgado, mas podem envolver pâncreas, útero e linfonodos mesentéricos. Os achados clínicos, de necropsia, histopatológicos e micológicos de um caso de pitiose colônica e mucocutânea em cão são apresentados e os diagnósticos diferenciais de diarréia crônica em cães são discutidos.

Unitermos: Pythium insidiosium, doenças de cães, doenças entéricas, enterite granulomatosa, diarréia crônica, enterite micótica


Botão Edições anteriores