Edições Anteriores

Edição N. 47

novembro/dezembro - Ano VIII,2003

Ultrassonografia

Autor(es): Tilde Rodrigues Froes ; Janis Regina Messias Gonzalez, Luciane Maria Kanayama, Rafael Costa Jorge, Masao Iwasaki


"Ultrassonografia intervencionista drenagem percutânea de lesões cavitárias e cistos prostáticos em cães"

"A ultra-sonografia intervencionista é um método de diagnóstico auxiliar ou terapêutico pouco invasivo, eficiente e já consolidado na medicina humana, que raramente apresenta complicações. A drenagem de cistos e abscessos prostáticos foi pouco estudada na medicina veterinária. O objetivo deste trabalho foi avaliar a eficácia da drenagem percutânea ecodirigida nas lesões císticas ou cavitárias da próstata de cães. Foram estudados 15 cães com cistos ou lesões cavitárias prostáticas e/ou paraprostáticas identificadas ao exame ultra-sonográfico, no período de setembro de 2000 a setembro de 2002. Na maioria dos casos foram necessárias duas punções em 13 animais, a terapia proposta obteve sucesso não houve complicações durante as drenagens. Esses resultados indicam que a ultra-sonografia intervencionista é uma técnica segura e pouco invasiva no tratamento das lesões císticas ou cavitárias da próstata de cães."

Unitermos: Intervenção, ultra-sonografia, cães, próstata


Clínica médica

Autor(es): Fabiana Augusta Ikeda ; Paulo César Ciarlini, Mary Marcondes Feitosa, Maria Esther Gonçalves, Maria Cecília Rui Luvizotto, Valéria Marçal Félix de Lima


Perfil hematológico de cães naturalmente infectados por Leishmania chagasi no município de Araçatuba - SP: um estudo retrospectivo de 191 casos

O presente trabalho teve como objetivo descrever as alterações hematológicas observadas em 191 cães naturalmente infectados por Leishmania chagasi (Cunha e Chagas, 1937) no município de Araçatuba, São Paulo, Brasil, no período de janeiro de 1999 a maio de 2001. O diagnóstico da doença foi realizado por meio de exame citopatológico de punção aspirativa de linfonodo poplíteo e exame sorológico ELISA. Os achados laboratoriais mais freqüentes foram anemia (57%), hiperproteinemia (41,4%) e monocitose (33,5%). Os resultados indicam que os valores hematológicos, embora apresentem limitado valor no diagnóstico da leishmaniose visceral canina, fornecem importante subsídio para a avaliação do estado clínico do paciente, particularmente quanto ao quadro anêmico.

Unitermos: Leishmaniose visceral, cães, hematologia, Leishmania chagasi


Clínica médica

Autor(es): Norma Labarthe ; Oclydes Barbarini Jr., Ossamuro Umehara, Dan Domingo, Flavya Mendes-de-Almeida


Eficácia e segurança do uso de selamectina no tratamento e no controle de infestações por pulgas em cães e gatos susceptíveis à puliciose, no Brasil

"O presente estudo avaliou a eficácia e a segurança da aplicação tópica de selamectina na dosagem de 6-12 mg/kg em cães e gatos , conforme indicação do fabricante. Para tanto, constituiu-se uma amostra composta por 70 animais - 58 cães e 12 gatos apresentados a dez diferentes clínicas veterinárias do Rio de Janeiro, RJ e de São Paulo, SP. Todos os cães e gatos de um mesmo domicílio foram obrigatoriamente incluídos, e o somatório deles não podia ultrapassar três animais. Para que os animais de um domicílio fossem admitidos no estudo, era preciso que pelo menos um deles (cão ou gato) apresentasse o mínimo de 15 pulgas, contadas pela técnica do pente fino. Os animais receberam três aplicações, em intervalos de um mês. As avaliações clínicas e as contagens de pulgas foram feitas nos dias 0, 30, 60 e 90. Para a análise estatística, foram excluídos os animais com menos de 15 pulgas no dia 0. A comparação entre a contagem realizada no dia 0 e aquela realizada no dia 30 revelou diminuição de 96,5% no número de pulgas, na contagem realizada no dia 60, o percentual de diminuição em relação ao dia 0 foi de 99,4% e, na contagem realizada no dia 90, esse índice foi de 99,5%. A porcentagem de animais sem sinais clínicos passou de 25,5% no dia 0 para 89,1% ao final do estudo. Não houve nenhuma reação adversa nos cães ou nos gatos tratados com selamectina na dosagem de 6-12mg/kg."

Unitermos: Selamectina, cães, gatos, pulgas


Ortopedia

Autor(es): Amaro Fábio de Albuquerque Souza ; Eduardo Alberto Tudury


Displasia coxofemoral: diagnóstico clínico e radiográfico - revisão

"A displasia coxofemoral é uma das doenças ortopédicas mais comuns que acometem os cães de raças de grande porte e seus mestiços. Devido a isto, bem como à necessidade de diagnosticar correta e precocemente a afecção visto que os métodos atuais de diagnóstico permitem a presença de indivíduos portadores da afecção dentro do plantel de criadores e frente à existência de procedimentos cirúrgicos modernos que impedem o desenvolvimento das lesões osteoartrósicas secundárias, foi realizada uma minuciosa revisão da literatura, para estabelecer um roteiro prático e preciso para o diagnóstico, diminuindo com isso a possibilidade de existirem animais portadores da displasia coxofemoral. No presente estudo descrevem-se os sintomas clínicos da doença, os métodos de avaliação clínica e radiográfica, as projeções radiográficas específicas, assim como as alterações osteoarticulares encontradas."

Unitermos: Displasia coxofemoral, radiologia, doenças dos cães


Homeopatia

Autor(es): BENITES, N. R. ; MELVILLE, P. A. ; SILVA, A. S.


Tratamento homeopático de felinos abandonados confinados em gatil acometidos por doenças respiratórias e dermatoses

Unitermos:


Botão Edições anteriores