Edições Anteriores

Edição N. 43

março/abril - Ano VIII,2003

Reprodução

Autor(es): Mariana Machado Neves ; Antônio de Pinho Marques Júnior, Erika Christina Santos Oliveira


Senescência reprodutiva. Desafios à fisiologia - revisão

A senescência reprodutiva abrange os aspectos do declínio reprodutivo relacionados à idade, varia muito de indivíduo para indivíduo e se apresenta de maneira distinta na fêmea e no macho. Na fêmea está ligada a alterações no eixo hipotalâmico-hipofisário-ovariano, com conseqüente exaustão folicular e diminuição na concentração dos esteróides gonadais, o que não ocorre com o macho, que não perde completamente a fertilidade. Modificações morfológicas e funcionais no sistema reprodutivo, e no organismo como um todo, acompanham essa fase. O declínio da fertilidade é o principal sintoma clínico decorrente da má qualidade dos gametas. A medicina veterinária atual tem proporcionado maior expectativa de vida aos animais de estimação, o que favorece estudos sobre o envelhecimento reprodutivo. A presente revisão apresenta os eventos fisiológicos que ocorrem na senescência, com ênfase às alterações clínicas e reprodutivas decorrentes desse processo.

Unitermos: Senescência, reprodução, macho, fêmea


Dermatologia

Autor(es): Milena de Paiva Cavalcanti ; Maria Aparecida da Gloria Faustino, José Bezerra Gomes Filho, Leucio Câmara Alves


Freqüência de dermatófitos e fungos saprófitas em caninos e felinos com sintomatologia sugestiva de dermatopatia micótica atendidos no Hospital Veterinário da UFRPE

" Durante dois anos (agosto/1998 julho/2000), 471 amostras de raspados cutâneos obtidos de cães e 22 de gatos, atendidos no Hospital Veterinário da Universidade Federal Rural de Pernambuco, foram examinadas através de preparações em KOH e semeadura em ágar Sabouraud. Os percentuais das infecções foram: 70,99% para dermatomicose, 13,80% para dermatófitos, sendo o Aspergillus spp o fungo oportunista predominante (16,63%). Entre os animais positivos, os índices de infecção por dermatófitos e fungos saprófitas foram, respectivamente, de 19,43 e 80,57%. Entre os cães positivos, 13,16% estavam infectados por dermatófitos: 63,00% por Microsporum e 37,00% por Trichophyton. Nos felinos positivos, 27,27% tinham infecção por dermatófitos, todos pelo gênero Microsporum."

Unitermos: Dermatopatias micóticas, caninos, felinos, dermatófitos


Doenças infecciosas

Autor(es): Márcio Garcia Ribeiro ; Cristina de Jesus Câmara Brito, Antônio Carlos Paes, Jane Megid, José Paes de Almeida Nogueira Pinto, Fernando José Paganini Listoni


Infecção do trato urinário em cão por Salmonella enterica sorotipo Enteritidis. Relato de caso

Relata-se caso de infecção do trato urinário em um cão por Salmonella enterica sorotipo Enteritidis. O animal apresentava apatia, emagrecimento progressivo, oligodipsia, polaciúria e normoquesia. Ao exame clínico foram constatadas magreza, mucosas hipocoradas, secreção nasal serosa, esplenomegalia e sensibilidade à palpação em região lombar (renal). Os exames hematológicos revelaram anemia e linfopenia. No exame de urina verificou-se proteinúria, piúria e hematúria. A colheita de urina por cateterização e cistocentese permitiu o isolamento de Salmonella Enteritidis. Apesar de prescrita a terapia antimicrobiana e de suporte, o animal apresentou recidiva e veio a óbito. À necropsia foram observados pneumonia em fase de hepatização vermelha, degeneração hepática, enterite, esplenomegalia, aderência de cápsula renal, congestão e infarto renal. Do cultivo microbiológico de fragmentos de rim, fígado e de alça intestinal obteve-se o reisolamento de Salmonella enterica sorotipo Enteritidis.

Unitermos: Infecção do trato urinário, Salmonella, cão


Parasitologia

Autor(es): Maria Anete Lallo ; Lucas Campos de Sá Rodrigues, Eduardo Fernandes Bondan


Giardíase em cães e gatos - revisão

Os parasitas pertencentes ao gênero Giardia são protozoários flagelados que habitam o trato intestinal de ampla variedade de espécies de vertebrados. Entretanto, somente a Giardia intestinalis (sinônimo de G. duodenalis ou G. lamblia) é encontrada no homem e em outros mamíferos, incluindo cães, gatos, bovinos, suínos, ovinos e cavalos. A giardíase é considerada uma zoonose e um problema de saúde pública em todo o mundo. É um exemplo clássico de doença de veiculação hídrica, o que facilita a sua disseminação entre os animais e o homem. O presente artigo descreve sucintamente as principais características da giardíase em cães e gatos: etiologia, ciclo de vida do agente, sinais clínicos e sintomas, patogenia, diagnóstico, tratamento e epidemiologia.

Unitermos: Giardia, giardíase, cães, gatos


Botão Edições anteriores