Edições Anteriores

Edição N. 42

janeiro/fevereiro - Ano VIII,2003

Parasitologia

Autor(es): Adriane Nobiling Rodrigues ; Rita de Cássia A. A. de Menezes


Infecção natural de cães por espécies do gênero Cystoisospora (Apicomplexa: Cystoisosporinae) em dois sistemas de criação

"Foram estudados os aspectos epidemiológicos da infecção canina por Cystoisospora spp em dois sistemas de criação do Estado do Rio de Janeiro, para verificar a ocorrência e o pleomorfismo das espécies entre os dois canis e entre faixas etárias diferentes. A identificação das espécies foi feita com base nos parâmetros morfométricos dos oocistos e sua especificidade aos hospedeiros definitivos, o que identificou duas espécies: C. canis e C. ohioensis. Os animais jovens apresentaram maior freqüência da cistoisosporose com manifestação clínica ou maior eliminação de oocistos quando submetidos a condições de estresse. Os sistemas de criação avaliados adotavam manejos bem distintos e localizavam-se em regiões diferentes. Isso provocou diferenças no número de animais que eliminavam oocistos, na quantidade de oocistos eliminada, no tamanho dos diâmetros maior e menor e no índice morfométrico dos oocistos."

Unitermos: Cystoisospora canis, C. ohioensis, pleomorfismo, manejo


Anestesiologia

Autor(es): Eunice Yuriko Tamura ; Denise T. Fantoni, Silvia R. G. Cortopassi, Paulo S. M. Barros


Anestesia em cirurgias oculares em cães: efeito dos anestésicos e controle da pressão intra-ocular - revisão

Nas cirurgias oculares em medicina veterinária, a escolha do protocolo anestésico é um fator determinante, pois a manutenção do campo operatório em condições adequadas muitas vezes depende do fármaco empregado. Nesses pacientes, a contenção e o posicionamento adequados, bem como o controle da tensão intra-ocular, são de suma importância. Desta forma, a correlação entre os efeitos dos fármacos empregados e as alterações sobre a fisiologia do olho deve ser conhecida previamente. Os fármacos utilizados em anestesia podem alterar o fluxo sangüíneo ocular, provocar a formação de humor aquoso e atuar sobre o tônus da musculatura extra-ocular modificando, de forma direta ou indireta, a pressão intra-ocular (PIO).

Unitermos: Anestesia, pressão intra-ocular, cães


Cardiologia

Autor(es): James Newton Bizetto M. de Andrade ; Pedro Paulo Vissoto de Paiva Diniz, Carlos Eduardo Vasconcelos Silva, Carlos José Mucha, Aparecido Antonio Camacho


Doenças pericárdicas no cão - revisão

As afecções do pericárdio em cães não são raras e o clínico deve estar preparado para identificá-las e tratá-las adequadamente. A maioria das doenças pericárdicas é de natureza efusiva, levando ao tamponamento cardíaco e à insuficiência cardíaca direita, tendo como principal causa as neoplasias cardíacas, seguidas pela efusão idiopática. A pericardite constritiva é outra manifestação que pode ser resultante de efusões crônicas. O diagnóstico de tais afecções envolve exame físico, radiografias, eletrocardiografia, ecocardiografia, análise laboratorial do líquido, histopatologia e imuno-histoquímica. O presente artigo teve o objetivo de revisar alguns aspectos das afecções pericárdicas nos cães, contemplando as principais características de cada doença, seus fatores etiológicos, suas manifestações clínicas, seu diagnóstico e seu tratamento.

Unitermos: Pericárdio, cardiologia, doenças, cães


Clínica médica

Autor(es): Marcela Freire Vallim de Mello ; Ana Maria Reis Ferreira


Análise citológica do líquido de lavagem broncoalveolar para o diagnóstico das doenças pulmonares caninas - revisão

A lavagem broncoalveolar é uma técnica de colheita de material dos pulmões que tem sido muito utilizada na medicina humana, e mais recentemente na medicina veterinária, com o objetivo de auxiliar o clínico no diagnóstico de doenças pulmonares. As amostras colhidas podem ser encaminhadas para exames citológico, microbiológico, bioquímico e imunológico. A lavagem broncoalveolar em cães pode ser realizada com um broncoscópio de fibra óptica flexível ou com uma sonda endotraqueal, sendo necessário apenas um breve período de anestesia geral. Diversas alterações podem ser descobertas por meio do exame citológico do fluido broncoalveolar, como a presença de infiltrados inflamatórios, células neoplásicas, microrganismos e formas parasitárias, diminuindo a lista de diagnósticos diferenciais das doenças pulmonares caninas.

Unitermos: Cães, doenças respiratórias, lavagem broncoalveolar, citodiagnóstico


Botão Edições anteriores