Edições Anteriores

Edição N. 37

março/abril - Ano VII,2002

Epidimiologia

Autor(es): Márcia Marques Jericó ; Karin Corrêa Scheffer


Aspectos epidemiológicos dos cães obesos na cidade de São Paulo

O presente trabalho relata os aspectos epidemiológicos da obesidade em uma amostra de 107 cães, selecionados de população constituída por 648 animais. Nessa amostra, a média de idade era de 7 anos (DP± 2 a), e 67 (62,6%) dos animais eram fêmeas, das quais 32,8% haviam sido castradas. As raças mais acometidas foram SRD (28%), cocker (10,3%) e poodle (10,3%). Em relação ao manejo, 84,1% dos cães obesos alimentavam-se freqüentemente de petiscos, 37,4% ingeriam apenas ração, e 50,5% recebiam comida caseira e ração industrial. 36,4% dos animais passeavam de duas a três vezes por semana. Os resultados demonstraram que a amostra de cães obesos estudada - que representa 16,5% da população de animais observada - é constituída majoritariamente por fêmeas não castradas, sem raça definida, adultas, que consomem petiscos freqüentemente e têm uma atividade física discreta, embora regular.

Unitermos: Obesidade, cães, epidemiologia


Ortopedia

Autor(es): Suzana Ramos Nogueira ; Eduardo Alberto Tudury


Exame clínico ortopédico de cães e gatos - parte 2

Na primeira parte desta revisão, referente ao exame clínico ortopédico de cães e gatos, foram descritos: a identificação do animal, a apreciação da história clínica e queixa principal, a inspeção visual, a avaliação da marcha, o exame geral do paciente e a avaliação dos membros posteriores e da pelve. Em continuação, esta segunda parte apresenta o exame dos membros anteriores, crânio, mandíbula e coluna vertebral. Também serão descritos sucintamente alguns distúrbios musculares, importantes para o diagnóstico diferencial das lesões osteoarticulares. A avaliação integral e ordenada do sistema osteoarticular, com seus resultados gravados na ficha ortopédica (parte 1), permite a obtenção das informações necessárias para a escolha da terapêutica adequada e o estabelecimento de um prognóstico acurado.

Unitermos: Exame clínico, ortopedia, pequenos animais


Clínica médica

Autor(es): Isabela Ciniello Araujo ; Ana Maria Reis Ferreira


Infecção por Helicobacter spp. em gatos - revisão

O presente artigo tem como objetivo revisar os principais aspectos da infecção por Helicobacter spp. em gatos. Após a descoberta do Helicobacter pylori no homem, várias espécies de Helicobacter foram identificadas em outros animais. Em gatos, as espécies mais freqüentemente encontradas são o H. heilmannii e o H. felis. Ao contrário do que acontece com a infecção por H. pylori no homem, o envolvimento dessas bactérias nas patologias gástricas felinas ainda não está esclarecido. As formas de transmissão também não foram totalmente elucidadas, mas as mais apontadas são as vias oral-oral e fecal-oral, havendo a possibilidade de transmissão zoonótica do gato para o homem ou vice-versa. Em medicina veterinária, os métodos de diagnóstico mais utilizados são o teste de urease, a citologia, o exame histopatológico e a cultura. O tratamento é recomendado quando os animais apresentam gastrite crônica e sinais clínicos relacionados e consiste na administração de antibióticos, antagonistas H2, antiácidos e/ou compostos à base de bismuto.

Unitermos: Gatos, Helicobacter, gastrite, úlceras, gastrenterologia


Botão Edições anteriores