Edições Anteriores

Edição N. 26

maio/junho - Ano V,2000

Radiologia

Autor(es): Luciana V. C. Sarmento ; Eduardo A. Tudury, Ericka R. Albuquerque, Patrícia K. L. Magalhães


Mielografia em cães e gatos - revisão

Compressões da medula espinhal podem ser visualizadas por mielografia, que fornece o diagnóstico, a localização e, muitas vezes, determina a severidade da lesão. A mielografia pode ser realizada injetando-se o meio de contraste tanto na cisterna magna como no espaço subaracnóide da região lombar. Essa técnica tem sido utilizada há mais de 70 anos em humanos, e os tipos de meios de contraste vêm evoluindo, no sentido de promover baixa neurotoxicidade e alta qualidade de diagnóstico. Em animais, seu uso foi relatado experimentalmente a partir da década de 40 e, atualmente, essa é uma técnica necessária nos atendimentos neurológicos e neurocirúrgicos de pequenos animais. A presente revisão propõe demonstrar a evolução dos meios de contraste, as técnicas utilizadas e a interpretação de mielografias.

Unitermos: Mielografia, cães e gatos


Zoonose

Autor(es): André de O. Mendonça ; Hélio Langoni


Hantavirose: uma zoonose emergente

A hantavirose é uma zoonose emergente que causa duas síndromes distintas: a Febre Hemorrágica com Síndrome Renal e a Síndrome Pulmonar por Hantavirus. A primeira está presente na Ásia, na Europa e na África desde o início do século, e a segunda foi descrita pela primeira vez em 1993 nos Estados Unidos, apresentando altos índices de letalidade. Os primeiros casos confirmados de Síndrome Pulmonar por Hantavirus no Brasil ocorreram em novembro e dezembro de 1993, no município de Juquitiba-SP, e até setembro de 1999 já foram diagnosticados pelo menos 27 casos em humanos. Os roedores são os principais reservatórios do vírus, e a doença nos animais domésticos é pouco conhecida. Este trabalho teve por objetivo agregar dados existentes na literatura, a fim de esclarecer a comunidade veterinária sobre esta enfermidade e, principalmente, sobre as formas de preveni-la, já que não existe tratamento específico para a mesma e sua letalidade em nosso país é superior a 70%.

Unitermos: Hantavirus, zoonose


Radiologia

Autor(es): Silvana Maria Unruh ; Masao Iwasaki


Artrografia na avaliação da ostecondrose e da osteocondrite dissecante na articulação escápulo-umeral de cães

A osteocondrite dissecante da articulação escápulo-umeral é considerada uma das mais freqüentes manifestações da osteocondrose em cães. Nosso objetivo foi pesquisar a artrografia em seus aspectos técnicos e avaliar a superfície da cartilagem articular nestas condições. A artrografia foi empregada em quarenta animais da espécie canina com diagnóstico clínico e radiográfico de osteocondrite dissecante da cabeça do úmero, utilizando como meio de contraste positivo o iohexol 300mgI/ml na dosagem de 0,1ml/kg. Este exame permitiu identificar três tipos de lesões na superfície da cartilagem articular: o retalho, a fissura e o espessamento da cartilagem. Além disso, mostrou fragmentos livres da cartilagem na cápsula caudal ou na bainha do tendão do bíceps e alterações da cápsula sinovial que não foram observados na radiografia simples. Com isto, a artrografia pode auxiliar na escolha do tratamento conservativo ou cirúrgico e no prognóstico da osteocondrose e da osteocondrite dissecante da articulação escápulo-umeral de cães.

Unitermos: "Artrografia articulação escápulo-umeral osteocondrose osteocondrite cães"


Radiologia

Autor(es): Luciana V. C. Sarmento ; Eduardo A. Tudury, Ericka R. Albuquerque, Patrícia K. L. Magalhães


Mielografia em cães e gatos - revisão

Compressões da medula espinhal podem ser visualizadas por mielografia, que fornece o diagnóstico, a localização e, muitas vezes, determina a severidade da lesão. A mielografia pode ser realizada injetando-se o meio de contraste tanto na cisterna magna como no espaço subaracnóide da região lombar. Essa técnica tem sido utilizada há mais de 70 anos em humanos, e os tipos de meios de contraste vêm evoluindo, no sentido de promover baixa neurotoxicidade e alta qualidade de diagnóstico. Em animais, seu uso foi relatado experimentalmente a partir da década de 40 e, atualmente, essa é uma técnica necessária nos atendimentos neurológicos e neurocirúrgicos de pequenos animais. A presente revisão propõe demonstrar a evolução dos meios de contraste, as técnicas utilizadas e a interpretação de mielografias.

Unitermos: Mielografia, cães e gatos


Zoonose

Autor(es): André de O. Mendonça ; Hélio Langoni


Hantavirose: uma zoonose emergente

A hantavirose é uma zoonose emergente que causa duas síndromes distintas: a Febre Hemorrágica com Síndrome Renal e a Síndrome Pulmonar por Hantavirus. A primeira está presente na Ásia, na Europa e na África desde o início do século, e a segunda foi descrita pela primeira vez em 1993 nos Estados Unidos, apresentando altos índices de letalidade. Os primeiros casos confirmados de Síndrome Pulmonar por Hantavirus no Brasil ocorreram em novembro e dezembro de 1993, no município de Juquitiba-SP, e até setembro de 1999 já foram diagnosticados pelo menos 27 casos em humanos. Os roedores são os principais reservatórios do vírus, e a doença nos animais domésticos é pouco conhecida. Este trabalho teve por objetivo agregar dados existentes na literatura, a fim de esclarecer a comunidade veterinária sobre esta enfermidade e, principalmente, sobre as formas de preveni-la, já que não existe tratamento específico para a mesma e sua letalidade em nosso país é superior a 70%.

Unitermos: Hantavirus, zoonose


Radiologia

Autor(es): Silvana Maria Unruh ; Masao Iwasaki


Artrografia na avaliação da ostecondrose e da osteocondrite dissecante na articulação escápulo-umeral de cães

A osteocondrite dissecante da articulação escápulo-umeral é considerada uma das mais freqüentes manifestações da osteocondrose em cães. Nosso objetivo foi pesquisar a artrografia em seus aspectos técnicos e avaliar a superfície da cartilagem articular nestas condições. A artrografia foi empregada em quarenta animais da espécie canina com diagnóstico clínico e radiográfico de osteocondrite dissecante da cabeça do úmero, utilizando como meio de contraste positivo o iohexol 300mgI/ml na dosagem de 0,1ml/kg. Este exame permitiu identificar três tipos de lesões na superfície da cartilagem articular: o retalho, a fissura e o espessamento da cartilagem. Além disso, mostrou fragmentos livres da cartilagem na cápsula caudal ou na bainha do tendão do bíceps e alterações da cápsula sinovial que não foram observados na radiografia simples. Com isto, a artrografia pode auxiliar na escolha do tratamento conservativo ou cirúrgico e no prognóstico da osteocondrose e da osteocondrite dissecante da articulação escápulo-umeral de cães.

Unitermos: "Artrografia articulação escápulo-umeral osteocondrose osteocondrite cães"


Botão Edições anteriores