Clínica Veterinária n. 82

R$ 40,00

ANIMAIS SILVESTRES: Fixação de fratura de tibiotarso com uso de pino intramedular e fios de aço de cerclagem em papagaio-verdadeiro (Amazona aestiva) mantido em cativeiro domiciliar – relato de caso
CARDIOLOGIA: Uso do sildenafil no controle da hipertensão arterial pulmonar em cão – revisão de literatura e relato de caso
CIRURGIA: Tireoidectomia felina: técnicas cirúrgicas e complicações pós-operatórias – revisão
CLÍNICA MÉDICA: Anemia hemolítica imunomediada em cães – estudo retrospectivo de 32 casos
DERMATOLOGIA: Pododermatite plasmocitária felina – relato de caso
DIAGNÓSTICO POR IMAGEM: Ultrassonografia nas neoplasias hepáticas em cães e avaliação de critérios sonográficos na diferenciação de lesões malignas
ONCOLOGIA: Comparação entre dois protocolos de tratamento do tumor venéreo transmissível em cães
ONCOLOGIA: Espondilomielopatia cervical por metástase de adenocarcinoma mamário em cadela – relato de caso
ORTOPEDIA: Fraturas do corpo mandibular em cães – métodos de tratamento

Descrição


Artigos científicos presentes na Clínica Veterinária n. 82, setembro/outubro/2009, ano XIV:

ANIMAIS SILVESTRES: Fixação de fratura de tibiotarso com uso de pino intramedular e fios de aço de cerclagem em papagaio-verdadeiro (Amazona aestiva) mantido em cativeiro domiciliar – relato de caso

Autores: Daniel Barreto Siqueira ; Eduardo Oliveira Costa Neto, Marcio André Silva

Resumo: As lesões musculoesqueléticas são comuns nas aves, principalmente as fraturas. O método de reparo da fratura é determinado por vários fatores, tais como local da lesão, idade e tamanho da ave. Dentre os reparos cirúrgicos realizados em aves em geral, as duas técnicas mais comumente citadas na literatura são a fixação esquelética externa e o uso de pinos intramedulares. Relata-se o tratamento clinicocirúrgico de um papagaio-verdadeiro (Amazona aestiva) que apresentou fratura oblíqua transversa completa fechada no terço distal do tibiotarso esquerdo. Trinta dias após a realização do procedimento cirúrgico de osteossíntese com colocação de pino intramedular e fios de aço de cerclagem, o animal recuperou a atividade motora. O tratamento mostrou-se eficaz, pois permitiu a consolidação óssea e a recuperação completa das funções do membro fraturado.
Unitermos: aves silvestres, osteossíntese, claudicação


CARDIOLOGIA: Uso do sildenafil no controle da hipertensão arterial pulmonar em cão – revisão de literatura e relato de caso

Autores: Patrícia Pereira Costa Chamas ; Luciana da Silveira Bonilho, Lilian Caram Petrus, Silmara Bonomi da Silva

Resumo: Hipertensão arterial pulmonar é o aumento anormal da pressão nas artérias pulmonares, cujas manifestações clínicas incluem taquipneia, distrição respiratória, síncopes e sinais de insuficiência cardíaca congestiva (ICC) direita. Para diagnóstico utiliza-se a mensuração, por ecodopplercardiografia, do fluxo regurgitante pelas valvas pulmonar e tricúspide, estimando-se de forma indireta os gradientes de pressão da artéria pulmonar. É importante a identificação das causas subjacentes, como ICC esquerda, tromboembolismo pulmonar ou doenças pulmonares crônicas, muitas vezes irreversíveis. Para controle do quadro pode-se utilizar citrato de sildenafil, inibidor da fosfodiesterase-5, que induz à vasodilatação arterial pulmonar mediada por óxido nítrico, melhorando as manifestações clínicas da doença.
Unitermos: cardiologia, inibidores da fosfodiesterase, pressão arterial


CIRURGIA: Tireoidectomia felina: técnicas cirúrgicas e complicações pós-operatórias – revisão

Autores: Katia Barão Corgozinho ; Heloisa Justen Moreira de Souza, Ana Maria Ferreira, Adriana Neves, Cristiane Damico, Vanessa Pimentel

Resumo: O hipertireoidismo é uma endocrinopatia comum em gatos idosos e de meia-idade. A maior causa de hipertireoidismo é a hiperplasia adenomatosa benigna de um ou de ambos os lobos tireoidianos. A remoção cirúrgica dos lobos acometidos é uma opção terapêutica comum. A estabilização pré-operatória do gato hipertireoideo com medicamentos antitireoidianos é indicada para minimizar complicações anestésicas e cirúrgicas devido aos efeitos sistêmicos do excesso de hormônios tireoidianos. Várias técnicas cirúrgicas para a remoção da glândula tem sido relatadas (intracapsular, extracapsular e tireoidectomia com implantação da glândula paratireóide) e os resultados pós-cirúrgicos e suas complicações diferem, dependendo da técnica utilizada. O tratamento cirúrgico de gatos hipertireoideos oferece cura permanente sem tratamento médico crônico e sem necessitar de equipamento especializado.
Unitermos: gato, hipertireoidismo, tratamento


CLÍNICA MÉDICA: Anemia hemolítica imunomediada em cães – estudo retrospectivo de 32 casos

Autores: Milena Piacitelli Sanchez ; Tatiane Moreno Ferrarias, Marcio Antonio Batistela Moreira

Resumo: A anemia hemolítica imunomediada (AHIM) é caracterizada pela destruição de eritrócitos que possuem anticorpos na sua superfície, podendo ser classificada como primária ou secundária. Foi realizado um estudo retrospectivo de 32 cães cuja história, sinais clínicos e exames laboratoriais eram compatíveis com o diagnóstico de AHIM, sendo 15 machos e 17 fêmeas, sete sem raça definida e 25 de raça definida, entre os quais a maioria apresentava esferocitose, anemia severa, leucocitose, trombocitopenia, mucosas pálidas, febre e hepatoesplenomegalia. Com base neste estudo, conclui-se que o diagnóstico de cães que apresentem os sinais acima referidos – principalmente fêmeas de raça pura com idade de cinco a oito anos com anemia de moderada a severa e presença de esferócitos, corpúsculos de Heinz e autoaglutinação no esfregaço sanguíneo, hemólise e/ou icterícia plasmática, leucocitose e trombocitopenia – deve ser a AHIM.
Unitermos: esferócitos, hemólise, autoimune


DERMATOLOGIA: Pododermatite plasmocitária felina – relato de caso

Autores: Luiz Henrique de Araújo Machado ; Mariana Isa Poci P. Antunes, Rafael Torres Neto, Karin Botteon, Viciany Erique Fabris, Maria do Carmo Fernandez Vailati, Maria Lúcia Gomes Lourenço

Resumo: Pododermatite plasmocitária é uma doença cutânea rara, que atinge os coxins dos gatos, cuja etiopatogenia ainda é desconhecida. Este trabalho relata a ocorrência de pododermatite plasmocitária em uma gata sem raça definida, de três anos de idade atendida no Hospital Veterinário da FMVZ/Unesp-Botucatu. O animal apresentava edemaciação e eritema nos coxins havia um mês. A biópsia dos coxins revelou intenso processo dérmico difuso composto basicamente por plasmócitos com alguns corpúsculos de Russell, em meio a macrófagos e alguns focos com exsudato neutrofílico, permitindo o diagnóstico de pododermatite plasmocitária. Foi realizado o tratamento com 25mg de doxiciclina, a cada 24 horas, por via oral. Em quatro semanas houve cura clínica, mas optou-se por manter o medicamento por mais duas semanas. Após dois anos de acompanhamento, não houve recidiva do quadro, demonstrando a eficiência do tratamento proposto.
Unitermos: gatos, dermatopatia, terapia


DIAGNÓSTICO POR IMAGEM: Ultrassonografia nas neoplasias hepáticas em cães e avaliação de critérios sonográficos na diferenciação de lesões malignas

Autores: Tilde Rodrigues Froes ; Masao Iwasaki

Resumo: O exame ultrassonográfico é extremamente útil para a avaliação hepática da suspeita de neoplasias. Os objetivos do presente trabalho foram rever e determinar algumas das principais características ultrassonográficas nos diferentes tipos de neoplasias hepáticas em cães, identificar critérios sonográficos mais relacionados com malignidade e verificar o poder desse exame de analisar a propensão à malignidade. A amostra foi constituída por quinze cães, sendo que em doze a neoplasia hepática primária foi confirmada pelos exames citológicos ou histopatológicos. Os critérios morfológicos sonográficos utilizados nas descrições das imagens foram: forma, contorno, ecogenicidade, ecotextura e sinais secundários. Confirma-se que apenas pelos padrões sonográficos categorizados não é possível determinar um tipo específico de tumor. Todavia, alguns critérios sonográficos podem ser utilizados como indicativos de malignidade.
Unitermos: fígado, diagnóstico, ultrassom, tumores


ONCOLOGIA: Espondilomielopatia cervical por metástase de adenocarcinoma mamário em cadela – relato de caso

Autores: Bruno Martins Araújo ; Felipe Purcell de Araújo, Fernando Leandro dos Santos, Rosana da Cruz Lino Salvador, Thaiza Helena Tavares Fernandes, Eduardo Alberto Tudury

Resumo: O presente trabalho relata o caso de uma cadela sem raça definida que apresentava histórico crônico progressivo de dor cervical e tetraparesia espástica grave havia aproximadamente um mês. O exame neurológico caracterizou uma síndrome cervical de grau III, suspeitando-se de doença do disco intervertebral ou de neoplasia vertebral. Devido ao estado geral, o animal foi submetido à eutanásia a pedido do proprietário, antes da confirmação do diagnóstico. Na necropsia foram encontrados nódulos na glândula mamária e massa no lado esquerdo do corpo da quinta vértebra cervical, invadindo o canal vertebral e o espaço intervertebral. Os fragmentos foram enviados para exame histopatológico, que diagnosticou adenocarcinoma mamário vertebral metastático causando espondilomielopatia cervical.
Unitermos: neoplasia, vértebra, cão


ONCOLOGIA: Comparação entre dois protocolos de tratamento do tumor venéreo transmissível em cães

Autores: Sílvia Franco Andrade ; Osimar de Carvalho Sanches, Eduardo Roberto Gervazoni, Fabiana Aguena Sales Lapa, Vanessa Massumi Kaneko

Resumo: O tumor venéreo transmissível (TVT) é um neoplasma contagioso altamente prevalente na clínica de pequenos animais. O tratamento-padrão consiste no uso da vincristina como agente único, porém o aparecimento de resistência a esse fármaco tem levado ao uso de vincristina associada a outras drogas. Recentemente, um estudo demonstrou o efeito antitumoral das avermectinas quando administradas após a vincristina no tratamento de alguns tipos de tumores em camundongos. O objetivo deste estudo foi comparar a eficácia clínica do protocolo-padrão com o uso de vincristina e de um protocolo que associa vincristina e ivermectina. Houve redução do número de administrações no protocolo associado, o que pode representar uma alternativa terapêutica importante, pois diminui a probabilidade de indução de resistência à vincristina, reduz custos e proporciona uma recuperação mais rápida do cão.
Unitermos: tumor de Sticker, TVT, vincristina, ivermectina


ORTOPEDIA: Fraturas do corpo mandibular em cães – métodos de tratamento

Autores: Elisângela Perez de Freitas ; Sheila Canevese Rahal, Marco Antonio Gioso, Oduvaldo C. M. Pereira Júnior, Jorge V. L. Silva

Resumo: “Em virtude da importância das fraturas do corpo mandibular em cães, a presente revisão teve por objetivos discorrer sobre elas, com ênfase na anatomia, nas características gerais e nos métodos de imobilização interna e externa, de acordo com suas vantagens e desvantagens. Cada mandíbula possui um corpo, onde estão localizados os dentes e um ramo que contém os processos coronoide, condilar e angular. Entre os métodos de imobilização interna e externa, os mais indicados seriam: os fios ortopédicos, especialmente para as fraturas simples a fixação intraoral, desde que a estrutura dental esteja íntegra a fixação externa, particularmente em casos de perdas ósseas e fraturas multifragmentares as placas metálicas, desde que posicionadas ou desenhadas de forma a não comprometer os dentes e as estruturas neurovasculares e a combinação detécnicas, quando isoladamente essas não são suficientes para a estabilização.”
Unitermos: mandíbula, cirurgia, osteossíntese




Informação adicional

Peso 355 g
Dimensões 28 x 21 x 0.5 cm

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Seja o primeiro a avaliar “Clínica Veterinária n. 82”

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *