Promoção!

Clínica Veterinária n. 48

R$ 40,00 R$ 20,00

CLÍNICA MÉDICA: Nefropatia juvenil progressiva associada à displasia renal em lhasa apso: relato de caso
CLÍNICA MÉDICA: Diretrizes gerais para diagnóstico e manejo de cães infectados por Ehrlichia spp
CLÍNICA MÉDICA: Encefalite por Neospora caninum e Toxoplasma gondii em cães
ORTOPEDIA: Métodos iniciais auxiliares à fixação interna de fraturas e luxações vertebrais torácicas e lombares em cães e gatos
SAÚDE PÚBLICA: Uma revisão sobre a tuberculose em cães e gatos

Edição não consta no acervo digital

Descrição


Artigos científicos presentes na Clínica Veterinária n. 48, janeiro/fevereiro/2004, ano IX:

CLÍNICA MÉDICA: Nefropatia juvenil progressiva associada à displasia renal em lhasa apso: relato de caso

Autores: Édina Bittencourt ; Paula Rodrigues Moraes, Paulo Felipe Izique Goiozo, Daniela Helena Ribeiro Navarro, Giovana Wingeter Di Santis, Veridiana Maria B. Dignani de Moura, Enio Pedone Bandarra

Resumo: Foi encaminhado ao Hospital Veterinário da Faculdade de Medicina Veterinária Octávio Bastos, de São João da Boa Vista/SP um cão lhasa apso, macho, de 4 meses de idade, com histórico de anorexia, polidipsia, poliúria e dificuldade de locomoção. O exame bioquímico sérico apresentou 223mg/dL de uréia e a ultra-sonografia mostrou irregularidades na superfície renal, assim como cistos bilaterais. À necropsia os rins apresentavam-se diminuídos, de consistência firme, irregulares e com cistos capsulares. O exame histopatológico (HE/Masson) revelou fibrose intensa, atrofia, hiperplasia compensatória e esclerose glomerular, além de áreas de displasia. A história, a evolução clínica e os achados macro e microscópicos permitiram o diagnóstico de nefropatia juvenil progressiva associada a displasia renal.

Unitermos: Cão, lhasa apso, rim, displasia renal, nefropatia juvenil


CLÍNICA MÉDICA: Diretrizes gerais para diagnóstico e manejo de cães infectados por Ehrlichia spp

Autores: Helio Autran de Morais ; Johnny Hoskins, Nadia Regina Pereira Almosny, Norma Labarthe

Resumo: As recomendações que seguem estão baseadas em informações recentemente publicadas e nas experiências pessoais dos quatro participantes da mesa-redonda sobre ERLIQUIOSE realizada durante o IV Congresso Estadual de Clínicos Veterinários de Pequenos Animais do Rio de Janeiro em 20 de abril de 2002, no Colégio Brasileiro de Cirurgiões. Os participantes da mesa-redonda foram indicados pela ANCLIVEPA-RJ, e as perguntas foram respondidas incorporando sugestões dos congressistas. Posteriormente os autores se reuniram para redigir estas diretrizes.

Unitermos: Cães, erliquiose, diagnóstico, tratamento


CLÍNICA MÉDICA: Encefalite por Neospora caninum e Toxoplasma gondii em cães

Autores: Tatiane Alves da Paixão ; Renato de Lima Santos

Resumo: As infecções por protozoários são importantes causas de alterações neurológicas em cães, sendo o Toxoplasma gondii e o Neospora caninum os principais agentes associados a neuropatias na espécie. As manifestações clínicas e as alterações patológicas causadas por esses dois agentes são muito semelhantes, o que dificulta o diagnóstico diferencial. Em função do acometimento neuromuscular, os cães jovens geralmente apresentam um quadro mais severo, caracterizado por paresia progressiva. Já os cães adultos, com menor freqüência, desenvolvem doença sistêmica com lesões neurológicas e disseminação para outros órgãos. Esta revisão discute particularidades dos dois parasitas, bem como os sinais clínicos e as alterações patológicas decorrentes dos processos infecciosos por eles deflagrados, com ênfase no diagnóstico diferencial.

Unitermos: Toxoplasma gondii, Neospora caninum, cão, encefalite.


ORTOPEDIA: Métodos iniciais auxiliares à fixação interna de fraturas e luxações vertebrais torácicas e lombares em cães e gatos

Autores: Otávio Pedro Neto ; Eduardo Alberto Tudury, Amaro Fábio de Albuquerque Souza, Maíra Santos Severo

Resumo: Durante a fixação de fraturas e luxações vertebrais, é necessário empregar métodos iniciais auxiliares de fixação interna das vértebras desestabilizadas, uma vez que, após a redução manual, podem ocorrer reluxações das mesmas. As reluxações representariam riscos para o parênquima nervoso adjacente, podendo agravar o quadro neurológico do animal. No presente estudo, foram utilizados diversos métodos iniciais auxiliares de fixação interna, em dezesseis cães e cinco gatos com instabilidade vertebral. As grandes contribuições desses métodos foram a manutenção do realinhamento do canal medular após a redução manual e a promoção de estabilidade suficiente no foco de fratura para que o método de fixação definitivo fosse aplicado com segurança. O método mais eficaz, fácil, rápido e que proporcionou maior versatilidade foi a transfixação dos processos articulares com pinos de Kirschner.

Unitermos: Fraturas e luxações vertebrais, medula espinhal, cães, gatos


SAÚDE PÚBLICA: Uma revisão sobre a tuberculose em cães e gatos

Autores: Leandro d’Arc Moretti ; Sonia Regina Pinheiro, Antonio Carlos Paes

Resumo: Este artigo faz uma revisão sobre a tuberculose em cães e gatos, ao mesmo tempo em que enfatiza a ocorrência considerada rara de uma doença zoonótica de relevante importância na atualidade. Segundo estimativas, constitui a enfermidade infecciosa isolada de maior índice de mortalidade entre os seres humanos. A atualidade do tema decorre da gravidade da moléstia, sobretudo em pessoas acometidas por processos imunossupressores como a aids, o alcoolismo e a desnutrição. Destacam-se aspectos como a etiologia múltipla, a resistência dos animais aos microrganismos causadores da doença, as particularidades de diagnóstico e a polêmica da terapêutica. Isso aponta para a necessidade de estudos que estabeleçam padrões de diagnóstico fidedignos, determinação dos índices epidemiológicos atuais e protocolos terapêuticos seguros em relação à saúde pública.

Unitermos: Tuberculose, cão, gato, diagnóstico, terapêutica, saúde pública




Informação adicional

Peso 210 g
Dimensões 28 x 21 x 0.4 cm

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Seja o primeiro a avaliar “Clínica Veterinária n. 48”

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *