Promoção!

Clínica Veterinária n. 16

R$ 40,00 R$ 20,00

CIRURGIA: Técnicas de alimentação enteral em gatos
PATOLOGIA: Mielopatia degenerativa em cão Pastor Alemão – relato de caso
DERMATOLOGIA: Furunculose eosinofílica canina da face
CLÍNICA MÉDICA: Ctenocephalides felis felis: biologia, ecologia e controle integrado (1ª parte – biologia e ecologia)

Edição não consta no acervo digital

Descrição


Artigos científicos presentes na Clínica Veterinária n.16, setembro/outubro/1998, ano III:

CIRURGIA: Técnicas de alimentação enteral em gatos

Autor: Roberta de Menezes Leivas

Resumo: Gatos em anorexia por período superior a cinco dias podem desenvolver manifestações graves de hipoglicemia e coma. As técnicas usuais de alimentação enteral involuntária tem-se tornado parte integral na prática veterinária. O suporte nutricional através da utilização de sondas possui a vantagem de utilizar diferentes porções do trato gastrintestinal (esôfago, estômago e intestino) e poupar segmentos que necessitem de repouso. Os procedimentos de manejo cirúrgico constam do emprego da sonda através da via nasoesofageana ou realização de faringostomia, gastrostomia ou jejunostomia. Desta forma, para que se estabeleça uma terapia nutricional adequada, há que serem estabelecidas as necessidades específicas do paciente, bem como os benefícios e prejuízos relacionados à técnica escolhida.

Unitermos: Gatos, alimentação, enteral


PATOLOGIA: Mielopatia degenerativa em cão Pastor Alemão – relato de caso

Autores: Mônica Vicky Bahr Arias ; Dominguita Lühers Graça, Otávio Pedro Neto, Eduardo Alberto Tudury, Carmen Esther Grumadas Machado

Resumo: A mielopatia degenerativa é uma doença neurológica de etiologia desconhecida que afeta cães de grande porte, principalmente da raça pastor alemão. Relata-se o caso de um exemplar desta raça apresentando paraparesia progressiva com 30 dias de evolução. Ao exame neurológico constatou-se uma síndrome medular toracolombar. O exame de líquor demonstrou leve pleocitose e aumento de proteínas. Após a realização da mielografia, descartaram-se distúrbios compressivos, suspeitando-se de mielopatia degenerativa. O paciente foi tratado conforme o preconizado na literatura consultada. Devido à inalteração do quadro clínico, o proprietário optou pela eutanásia. Esta doença foi então confirmada através da histologia da medula espinhal. O objetivo do presente relato foi alertar os clínicos de que cães adultos, de grande porte, apresentando paraparesia, com alterações radiográficas compatíveis com protrusão de disco, espondilose deformante e até mesmo displasia coxofemural, podem estar acometidos também por mielopatia degenerativa.

Unitermos: Cães, mielopatia degenerativa, sistema nervoso, paraparesia


DERMATOLOGIA: Furunculose eosinofílica canina da face

Autores: Lissandro Gonçalves Conceição ; Viciany Erique Fabris, José Antônio Viana, Sônia R.V.S. Franco, Miguel M. Moreira

Resumo: Este artigo descreve três casos de furunculose eosinofílica da face em cães. Os animais apresentavam lesões nodulares de evolução aguda (24 a 48 horas), ulceradas ou não, recobertas com crostas hemáticas, situadas principalmente na região de ponte nasal, pavilhão auricular e região labial. Histologicamente, observou-se inflamação eosinofílica foliculocêntrica estéril com furunculose, dermatite nodular, crostas sorocelulares e deposição dérmica de mucina. A evolução clínica foi favorável, com recuperação espontânea em dois casos e uma boa resposta à corticoterapia em outro caso. Apresenta-se também uma discussão sobre as diversas dermatoses eosinofílicas estéreis nas espécies canina, felina, bovina, equina e humana. A similaridade clínica e histopatológica observada entre os casos de furunculose eosinofílica da face e os casos de hipersensibilidade à picada de mosquito, vistos na espécie felina, dão suporte a uma possível hipersensibilidade à picada de insetos como fator etiológico para essa dermatose incomum.

Unitermos: Furunculose eosinofílica, dermatose eosinofílica, hipersensibilidade, cão


CLÍNICA MÉDICA: Ctenocephalides felis felis: biologia, ecologia e controle integrado (1ª parte – biologia e ecologia)

Autores: Marcelo de Campos Pereira ; Adriano Pinter dos Santos

Resumo: Durante as últimas duas décadas, as investigações clínicas e as pesquisas laboratoriais a respeito da pulga do gato, Ctenocephalides felis felis, têm contribuído para uma melhor compreensão sobre este ectoparasito. Este artigo descreve alguns conhecimentos atuais da biologia e da ecologia da pulga do gato, elementos chave a serem considerados no desenvolvimento eficaz de métodos de controle. Informações detalhadas sobre parâmetros ambientais que afetam a sobrevivência de todas as fases evolutivas da pulga são apresentadas, abrangendo sua associação com o hospedeiro, permanência no hospedeiro, sobrevivência no hospedeiro e fora dele, desenvolvimento das fases imaturas, produção de ovos e comportamento alimentar.

Unitermos: Ctenocephalides felis felis, biologia, ecologia




Informação adicional

Peso 190 g
Dimensões 28 x 21 x 0.4 cm

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Seja o primeiro a avaliar “Clínica Veterinária n. 16”

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *