Clínica Veterinária n. 120

R$ 30,00

CLÍNICA: Análise microbiológica das infecções de trato urinário em cães atendidos em hospital veterinário: experiência de nove anos (2006-2014)
DERMATOLOGIA: Celulite juvenil canina – revisão de literatura e relato de dois casos
DERMATOLOGIA: Uso do feromônio facial felino fração F3 no tratamento de dermatite psicogênica em gatos-maracajá (Leopardus weidii) cativos – relato de casos
NEUROLOGIA: Corpectomia toracolombar lateral parcial em cães e gatos – revisão
ONCOLOGIA: Osteossarcoma osteoblástico primário em glândula tireoide de cão da raça rotweiller – relato de caso

Descrição


Artigos científicos presentes na Clínica Veterinária n. 124, janeiro/fevereiro/2016, ano XXI:

CLÍNICA: Análise microbiológica das infecções de trato urinário em cães atendidos em hospital veterinário: experiência de nove anos (2006-2014)

Autores: Fabio Navarro Baltazar; Daniel Altwegg; Jorge Piovesan Conti; Bruna Stefania Tadini; Felipe G. P. Lameirinhas Silva; Karina Leal Negrelli; Marcia Beserra Xavier Cortez; Marcelo Quinzani; Carla Alice Berl

Resumo: As infecções do trato urinário, geralmente de origem bacteriana, estão entre as afecções mais comuns na clínica médica de pequenos animais, com destaque para a espécie canina, na qual as fêmeas são mais acometidas. Dessa forma, o presente trabalho teve por objetivo a caracterização epidemiológica e microbiológica dos pacientes e seus respectivos patógenos urinários isolados, por meio da análise de 836 culturas urinárias referentes a 462 animais apenas da espécie canina, segregados em pacientes com infecções únicas e recidivantes do trato urinário, durante um período de nove anos (2006-2014). Com isso, pôde-se concluir que os padrões de distribuição etiológica nas infecções do trato urinário caninas se alteram dependendo de seu tempo de desenvolvimento, além de a ocorrência ser maior em cães SRD e entre onze e quinze anos de idade.
Unitermos: etiologia, cistite, agentes infecciosos


DERMATOLOGIA: Celulite juvenil canina – revisão de literatura e relato de dois casos

Autores: Andrei Kelliton Fabretti; Raquel Carolina Simões Siqueira; Rafael Oliveira Chaves; Bruno Cesar Elias; Weslem Garcia Suhett; Patrícia Mendes Pereira

Resumo: A celulite juvenil (CJ) é uma dermatopatia rara em cães filhotes. Seu reconhecimento é importante, pois raramente há resolução espontânea, e os animais não tratados podem morrer. Acredita-se ser um distúrbio imunomediado, caracterizado por início súbito de lesões dermatológicas em face, otite e linfoadenomegalia submandibular. Apresenta-se uma revisão de literatura e dois casos de CJ, uma teckel de dois meses e um pointer de cinquenta dias, acometidos de alopecia, edema, crostas, pápulas e pústulas (faciais), blefarite, linfoadenomegalia e edema genital. O tratamento baseou-se em prednisona e cefalexina, e após o início a primeira passou a apresentar otite e o segundo, tetraparesia e foliculite bacteriana. Houve remissão dos sinais em 3 e em 6,5 semanas de terapia, com permanência de cicatrizes. O reconhecimento da doença permite a utilização de imunossupressores que, se forem instituídos precocemente, melhoram o prognóstico.
Unitermos: cães, edema, dermatite, linfadenite granulomatosa


DERMATOLOGIA: Uso do feromônio facial felino fração F3 no tratamento de dermatite psicogênica em gatos-maracajá (Leopardus weidii) cativos – relato de casos

Autores: André Luiz Mota da Costa; Rodrigo Hidalgo Friciello Teixeira; Vanessa Lanes Ribeiro; Hanna Sibuya Kokubun; Henrique Guimarães Riva

Resumo: A dermatite psicogênica é uma afecção crônica da pele, caracterizada pela automutilação, que resulta em rarefação pilosa, alopecia, abrasão e úlceras. Em gatos domésticos, a ansiedade ou o estresse geram lambedura excessiva dos pelos. Os feromônios vêm sendo utilizados em gatos domésticos para a redução do estresse. Cinco espécimes de gato-maracajá (Leopardus wiedii), mantidos em cativeiro no Zoológico de Sorocaba, foram diagnosticados com dermatite psicogênica. Este trabalho teve como objetivo relatar a feromonioterapia (fração F3 do feromônio facial felino) em gatos-maracajá, no controle da dermatite psicogênica. Durante sessenta dias, o produto foi borrifado nos recintos em que os animais viviam, e dos cinco que apresentavam lesão, quatro obtiveram repilação total, mostrando que a feromonioterapia é uma ótima ferramenta no tratamento da dermatite psicogênica em gatos-maracajá.
Unitermos: felídeos silvestres, estresse, automutilação, feromonioterapia


NEUROLOGIA: Corpectomia toracolombar lateral parcial em cães e gatos – revisão

Autores: Marcela Maria de Almeida Amorim; Bruno Martins Araújo; Eduardo Alberto Tudury

Resumo: A doença de disco intervertebral é uma das afecções neurológicas mais comumente diagnosticada em cães, sendo a discopatia toracolombar a causa mais comum de disfunção neurológica em animais dessa espécie. Diferentes tipos de tratamentos clínicos e cirúrgicos têm sido descritos, desde acupuntura, repouso rígido, uso de anti-inflamatórios, analgésicos e relaxantes musculares até o uso de diversas técnicas cirúrgicas descompressivas. A corpectomia toracolombar lateral parcial é uma técnica cirúrgica alternativa e eficaz para tratar doença de disco toracolombar crônica e aguda, já que possibilita um acesso adequado ao assoalho do canal vertebral para a remoção do material de disco com mínima manipulação à medula espinhal, permitindo uma ampla e eficaz descompressão. Esta revisão trata dos aspectos anatômicos, cirúrgicos e biomecânicos da técnica, assim como das indicações, vantagens e desvantagens.
Unitermos: medula espinhal, doença do disco intervertebral, compressão medular, hemorragia, paraplegia


ONCOLOGIA: Osteossarcoma osteoblástico primário em glândula tireoide de cão da raça rotweiller – relato de caso

Autores: Cristiano Rodrigo N. da Silva; Thiago Pires Anacleto; Tarso Felipe Teixeira

Resumo: Osteossarcoma extraesquelético em cães é um tipo raro de câncer ósseo, com capacidade de acometer outros órgãos e tecidos epiteliais. Este estudo tem como objetivo relatar o caso de um cão macho da raça rotweiller com osteossarcoma extraesquelético em glândula tireoide e evolução de três meses, desde a sua manifestação clínica. Durante a consulta, foi realizada radiografia do pescoço para avaliar a extensão do tumor. Foram feitas também radiografia do tórax e ultrassonografia abdominal, sendo ambas negativas para metástase. O material do tumor foi colhido por citologia aspirativa, sendo sugestivo para osteossarcoma. Após 25 dias, o paciente foi submetido ao procedimento cirúrgico para tireoidectomia total; no entanto, veio a óbito após o término da cirurgia, devido a complicações cardio/respiratórias. Foi realizada a necropsia, sendo constatada a presença de nódulos na pleura e no pulmão compatíveis com metástase. O diagnóstico foi confirmado posteriormente por meio do exame histopatológico, o que caracterizou um quadro raro de câncer em cães.
Unitermos: osteossarcoma extraesquelético, tireoidectomia, metástase


Artigos de opinião

Medicina veterinária do coletivo
• A tragédia de Mariana, MG, relembra a importância da medicina veterinária de desastres
• Faça de sua casa um lar temporário (foster home) de animais
• Controle de capivaras em ambientes urbanos

Saúde pública
• Brasileish e o tratamento da leishmaniose visceral canina
• Parando de “matar cachorro a grito”

Medicina veterinária legal
• O médico veterinário e a notificação de violência

Pesquisa
• Testes em animais: avanços para o seu fim

Mercado pet
• Design aplicado no ambiente para felinos

Pet food
• Diarreias responsivas a fibras

Gestão, marketing e estratégia
• A importância do reconhecimento da figura do responsável ou tutor




Informação adicional

Peso 325 g
Dimensões 28 x 21 x 0.5 cm

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Seja o primeiro a avaliar “Clínica Veterinária n. 120”

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Por favor aguarde...

Inscreva-se na nossa Newsletter!

Você gostaria de manter-se atualizado com os eventos veterinários nacionais e internacionais mais importantes? Digite o seu endereço de e-mail e nome abaixo e receba updates que deveriam estar no calendário de qualquer veterinário!