Clínica Veterinária n. 119

R$ 40,00

CARDIOLOGIA: Insuficiência cardíaca congestiva secundária a displasia de tricúspide em cão – relato de caso
CLÍNICA: Manejo nutricional nas principais urolitíases caninas – revisão
NEUROLOGIA: Técnicas de redução e estabilização da subluxação atlantoaxial em cães – revisão de literatura
ONCOLOGIA: Adenocarcinoma gástrico com ossificação heterotópica em cão – relato de caso

Descrição


Artigos científicos presentes na Clínica Veterinária n. 119, novembro/dezembro/2015, ano XX:

CARDIOLOGIA: Insuficiência cardíaca congestiva secundária a displasia de tricúspide em cão – relato de caso

Autores: Charles Silva de Lima ; Guilherme A. de O. Cavalcanti ; Gustavo Soares Forlani ; Márcia de Oliveira Nobre ; Samuel Rodrigues Felix ; Tais Teixeira Zambarda

Resumo: A displasia de tricúspide (DT) é uma afecção congênita caracterizada pelo subdesenvolvimento dessa valva. Quase a totalidade dos pacientes que apresentam essa condição são de raças grandes, sendo rara em cães sem raça definida (SRD), em especial de pequeno porte. A anamnese e o exame físico são essenciais para o diagnóstico, que deve ser confirmado por exames complementares. Relata-se o caso de uma cadela SRD de cinco meses que apresentava dispneia, ascite e sopro cardíaco. Suspeitou-se de cardiopatia congênita, razão pela qual foram requisitados exames complementares. Realizou-se um ecodopplercardiograma no qual se constatou dilatação de câmaras, hipertensão pulmonar e DT. A conduta terapêutica incluiu a administração de furosemida, benazepril, espironolactona, pimobendan e sildenafil. Houve ótima resposta à terapia, e a paciente continua estável após dezessete meses de tratamento.
Unitermos: cardiologia veterinária, cardiopatias congênitas, ecodopplercardiograma


CLÍNICA: Manejo nutricional nas principais urolitíases caninas – revisão

Autores: Carolina Grecco Grano ; Marcelo de Souza Zanutto

Resumo: A urolitíase é definida como a formação de sedimentos pouco solúveis em qualquer local do trato urinário. O tratamento médico consiste em impedir o crescimen­to adicional e promover a dissolução da pedra. Alterar a dieta do animal pode levar à dissolução do cálculo, ou pode evitar recidivas. A composição da dieta é capaz de alterar o pH urinário e o volume de urina produzida, alterando a quantidade de substâncias litogênicas na urina. Devido à importância da dieta no tratamento da urolitíase, este trabalho tem como objetivo revisar a influência nutricional no tratamento e/ou prevenção de recidivas dos urólitos caninos de estruvita, oxalato de cálcio, urato, cistina e sílica. A urinálise e os exames de imagem periódicos permitem avaliar o protocolo de dissolução e o aparecimento de novos cálculos.
Unitermos: cálculo urinário, elementos litogênicos, supersaturação urinária


NEUROLOGIA: Técnicas de redução e estabilização da subluxação atlantoaxial em cães – revisão de literatura

Autores: Danyelle Rayssa Cintra Ferreira ; Eduardo Alberto Tudury

Resumo: A subluxação atlantoaxial é uma condição neurológica que pode ser causada por uma anormalidade congênita e/ou de desenvolvimento que afeta comumente cães jovens de raças toy ou miniatura, ou pode ser de origem traumática, acometendo cães de qualquer raça e idade. Nesta afecção, a superfície cranial do corpo do áxis desloca-se dorsalmente em direção ao canal vertebral, comprimindo a medula espinhal e suas raízes nervosas. Os sinais clínicos variam de uma hiperpatia cervical até déficits neurológicos associados à ataxia, tetraparesia ou tetraplegia. O diagnóstico é baseado em resenha, anamnese, sinais clínicos, exame neurológico e confirmado por exames de imagem. O tratamento cirúrgico abrange duas categorias de abordagens que visam reduzir e estabilizar a articulação atlantoaxial: dorsal e ventral. O objetivo deste trabalho foi realizar uma revisão bibliográfica sobre as técnicas de redução e estabilização da subluxação atlantoaxial.

Unitermos: neurologia, junção crânio-cervical, atlas, áxis, instabilidade


ONCOLOGIA: Adenocarcinoma gástrico com ossificação heterotópica em cão – relato de caso

Autores: Dyeime Ribeiro de Sousa ; Rubens Antônio Carneiro; Roberto M. Carvalho Guedes; Marthin Raboch Lempek; Isabela Costa Faria; Natália de Melo Ocarino

Resumo: Este relato descreve e discute os achados clínicos, anatomopatológicos e imuno-histoquímicos de um caso de adenocarcinoma gástrico com ossificação heterotópica em cão macho de doze anos com histórico de vômitos frequentes não responsivos a tratamento. Na necropsia, o estômago na região fúndica e no corpo próximo à curvatura menor apresentava parede intensamente espessada, elevada, irregular e firme. A microscopia demonstrou áreas multifocais de proliferação neoplásica maligna de células epiteliais, formando ácinos ou túbulos contendo quantidade variável de mucina e múltiplos focos de ossificação heterotópica. As células neoplásicas foram positivas para citoqueratina e negativas para vimentina e osteocalcina. Metástases da neoplasia foram observadas nos linfonodos gástricos e nos pulmões.
Unitermos: neoplasia, estômago, metaplasia óssea


Artigos de opinião

Bem-estar animal
• Emoções, sentimentos e sua relevância para o bem-estar animal
• Orientações do CONCEA sobre o uso de animais no ensino da disciplina de técnica cirúrgica

Notícias
• A importância da comunicação com o cliente

Medicina veterinária legal
• O que fazer com os cavalos de carroceiros em áreas urbanas?

Gestão, marketing e estratégia
• Identificação por microchip: proteção e inovação




Informação adicional

Peso 370 g
Dimensões 28 x 21 x 0.5 cm

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Seja o primeiro a avaliar “Clínica Veterinária n. 119”

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *