Clínica Veterinária n. 117

R$ 40,00

ANESTESIOLOGIA: Anestesia e obesidade canina – revisão de literatura
CLÍNICA: Infecção do trato urinário em gatos co doença renal crônica
CLÍNICA: Manejo do felino na clínica veterinária
CLÍNICA: PCR quantitativa (qPCR) no diagnóstico de doenças infecciosas em cães e gatos – revisão de literatura
ONCOLOGIA: Sobrevida de 574 dias em paciente canino com linfoma linfoblástico submetido a protocolos quimioterápicos – relato de caso
SAÚDE PÚBLICA: Toxocara spp.: distribuição e importância no Brasil – revisão de literatura

Descrição


Artigos científicos presentes na Clínica Veterinária n. 117, julho/agosto/2015, ano XX:

ANESTESIOLOGIA: Anestesia e obesidade canina – revisão de literatura

Autores: Fernanda Corrêa Devito; Geni Cristina Fonseca Patricio; Maria Fernanda C. I. Rizzo; Paula Finkensieper Pacheco; Patrícia Bonifácio Flôr; Marcio Antonio Brunetto; Silvia Renata Gaido Cortopassi

Resumo: A obesidade canina é uma enfermidade que acomete cerca de 40% da população canina mundial, de modo que a chance de um paciente obeso ser submetido a um procedimento cirúrgico e consequentemente ser anestesiado é muito grande. Assim como nos seres humanos, nos cães, o excesso de gordura pode afetar a maioria dos órgãos vitais, e por isso o anestesista tem que estar preparado para se deparar com uma série de desafios, tais como alterações nos sistemas cardiovascular, respiratório e metabólico. Essas alterações podem influenciar a farmacocinética e a farmacodinâmica dos anestésicos e, consequentemente, dificultar a indução e a manutenção do plano anestésico. Em seres humanos, os agentes anestésicos são administrados de acordo com o peso de massa magra, com o intuito de evitar sobre ou subdosagens. Quando se trata de cães, existem poucas informações sobre o assunto, mas recomenda-se o uso de fármacos de curta duração, e a utilização da ventilação mecânica é considerada indispensável.
Unitermos: analgesia, cães, sobrepeso, ventilação mecânica


CLÍNICA: Manejo do felino na clínica veterinária

Autores: Jéssica de Andrade Dias; Ricardo Diniz Guerra e Silva; Márcia Maria M. Dantas de Faria; Helena Arantes do Amaral

Resumo: Os gatos têm ganhado cada vez mais espaço na sociedade moderna, chegando a ser o animal de companhia de maior população em muitos países, e com contínuo crescimento no Brasil. O felino possui particularidades que requerem um manejo diferenciado que pode contribuir para um exame clínico mais acurado, economia de tempo, bem-estar animal e satisfação do proprietário. A redução do medo e da ansiedade nessa espécie e uma boa relação com o proprietário são fundamentais para o atendimento de qualidade e o acompanhamento do paciente. Com a finalidade de melhorar o atendimento clínico da espécie, foi realizada uma revisão da literatura considerando as particularidades fisiológicas e comportamentais do gato, assim como medidas estratégicas que devem ser consideradas durante a manipulação e o atendimento clínico.
Unitermos: agressividade, transporte, estrutura, contenção, gato


CLÍNICA: Infecção do trato urinário em gatos co doença renal crônica

Autores: Amanda Chaves de Jesus; Heloísa Justen Moreira de Souza; Margarete Weinschutz Gheren; Christiane Aguero da Silva

Resumo: A doença renal crônica (DRC) e a infecção do trato urinário (ITU) estão entre as afecções mais comumente encontradas na medicina de pequenos animais, sendo que muitas vezes encontram-se correlacionadas. O desenvolvimento da ITU depende de um desequilíbrio entre o microrganismo infectante e os mecanismos de defesa do hospedeiro. Atualmente está bem estabelecido que a frequência dos patógenos e os padrões de resistência dos agentes aos antibióticos podem variar significativamente de país para país, como também em diferentes hospitais veterinários dentro de um mesmo país. Por isso, a realização de trabalhos de vigilância e identificação dos padrões de prevalência dos microrganismos é essencial como medida preventiva de infecções. Os objetivos deste trabalho foram verificar a frequência da ITU em gatos com DRC, identificar as espécies bacterianas isoladas nesses animais e sua susceptibilidade antimicrobiana.
Unitermos: felino, rim, urina


CLÍNICA: PCR quantitativa (qPCR) no diagnóstico de doenças infecciosas em cães e gatos – revisão de literatura

Autores: Aline Baumann da Rocha Gizzi; Francisco de Oliveira Conrado; Alexander Welker Biondo; David Powolny; Christian Leutenegger; Simone Tostes de Olivei

Resumo: A PCR quantitativa (qPCR) vem recentemente substituindo a PCR convencional e tornando-se a técnica molecular de escolha oferecida pelos grandes laboratórios de diagnóstico veterinário e humano no mundo todo. O objetivo desta revisão foi descrever a utilidade dessa técnica para o diagnóstico de doenças infecciosas em pequenos animais. Por meio da qPCR, pode-se investigar a doença direcionando a pesquisa para um agente específico. Pode-se também testar a amostra clínica para vários agentes de forma simultânea, por meio de painéis de investigação para agentes múltiplos, elaborados de acordo com os patógenos mais prováveis para determinados sinais clínicos ou sistemas acometidos. Considerando que grande número de agentes infecciosos podem estar presentes em coinfecções e que a presença concomitante de dois ou mais agentes pode agravar a condição do hospedeiro, a detecção simultânea desses patógenos pode permitir prognóstico, planejamento do tratamento e respectivas estratégias de prevenção mais adequados. São descritas as vantagens e limitações dos testes moleculares em relação aos testes mais utilizados na rotina clínica veterinária para o diagnóstico de doenças infecciosas em cães e gatos.
Unitermos: caninos, felinos, enfermidades, coinfecção, investigação


ONCOLOGIA: Sobrevida de 574 dias em paciente canino com linfoma linfoblástico submetido a protocolos quimioterápicos – relato de caso

Autores: Vilma Ferreira de Oliveira; Felipe Noleto de Paiva; Bruno Santos Ferrari

Resumo: Os caninos domésticos são animais muito suscetíveis ao aparecimento de neoplasias, estando os linfomas entre as mais comuns. O linfoma é caracterizado por uma proliferação aumentada de linfócitos anormais, interferindo diretamente na dinâmica hematopoiética. Sua causa é considerada multifatorial e não existe confirmação de predileção por sexo ou raças especificas, porém foi sugerido que cães geriatras são mais suscetíveis. O prognóstico é desfavorável e a sobrevida tende a ser reduzida. O presente artigo relata um caso de linfoma linfoblástico em um cão da raça labrador, macho, de quatro anos, que teve sobrevida de 574 dias, sendo submetido a quatro protocolos quimioterápicos com apresentação de três recidivas, e encaminhado à eutanasia após o quarto protocolo
Unitermos: cão, quimioterapia, linfócitos


SAÚDE PÚBLICA: Toxocara spp.: distribuição e importância no Brasil – revisão de literatura

Autores: Marcela Cristina de Cezaro; Elizabeth Moreira dos S. Schmidt

Resumo: As espécies Toxocara canis e Toxocara cati são parasitas gastrintestinais de cães e gatos que apresentam distribuição mundial e são responsáveis pela zoonose conhecida como toxocaríase, que acomete acidentalmente o homem. No Brasil, o agente tem ampla distribuição, afetando principalmente crianças, devido a hábitos geofágicos, contato íntimo com animais e acesso a areia em parques e praças públicas contaminados pelas fezes de cães e gatos. Observa-se a necessidade de transferir informações à população, uma vez que essa importante infecção zoonótica está entre as mais comuns em todo o mundo e constitui um risco potencial à saúde. Dessa forma, esta revisão objetivou investigar os fatores predisponentes, os sinais clínicos, os meios de diagnóstico disponíveis e a prevalência da infecção em cães, gatos, canídeos e felídeos selvagens e o homem, com base nos estudos retrospectivos feitos no Brasil.
Unitermos: Larva migrans ocular; Larva migrans visceral; saúde pública


Artigos de opinião

Ensino
• Anatomia canina 3D

Saúde pública
• TRF da 3ª região proíbe eutanásia em cães com leishmaniose em Campo Grande/MS

Medicina veterinária do coletivo
• O acúmulo de animais passa a ser reconhecido como transtorno mental de acumulação

Comportamento
• Diferenças individuais em cães e estimulação precoce

Medicina veterinária legal
• Associação Ibero-americana de Medicina e Ciências Veterinárias Forenses
• A zoofilia é doença, abuso físico e crime contra os animais

Gestão, marketing e estratégia
• Qual o futuro dos estágios na veterinária?
• Sigilo de imagem: dever do médico veterinário na prática clínica e pesquisa biomédica




Informação adicional

Peso 386 g
Dimensões 28 x 21 x 0.5 cm

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Seja o primeiro a avaliar “Clínica Veterinária n. 117”

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *