Clínica Veterinária n. 106

R$ 40,00

BEM-ESTAR: Predação da avifauna nativa por cães e gatos na cidade de São Paulo, Brasil – estudo retrospectivo (1993-2011)
DIAGNÓSTICO POR IMAGEM: Radiologia de trato gastrintestinal em pequenos animais: sete dicas para aumentar sua acurácia diagnóstica
DIAGNÓSTICO POR IMAGEM: Ultrassonagrafia transtorácica extracardíaca – revisão de literatura
ENDOCRINOLOGIA: Adrenalectomia em cão com hiperadrenocorticísmo irresponsivo ao tratamento com trilostano – relato de caso
ONCOLOGIA: Fibrossarcoma canino – relato de caso
ORTOPEDIA: Osteotomia tripla e dupla da pelve em cães – descrição das técnicas e principais diferenças

Descrição


Artigos científicos presentes na Clínica Veterinária n. 106, setembro/outubro/2013, ano XVIII:

BEM-ESTAR: Predação da avifauna nativa por cães e gatos na cidade de São Paulo, Brasil – estudo retrospectivo (1993-2011)

Autores: Ticiana Zwarg ; Thaís Caroline Sanches; Alice Soares de Oliveira; Adriana Marques Joppert; Vilma Clarice Geraldi

Resumo: Foi realizado um levantamento retrospectivo com a finalidade de verificar os casos de predação por cães e gatos domésticos da avifauna atendida pela Divisão Técnica de Medicina Veterinária e Manejo da Fauna Silvestre da Prefeitura de São Paulo, em 19 anos. As quatro espécies de aves mais acometidas foram: rolinha-roxa, sabiá-laranjeira, periquito-verde e bem-te-vi. Os gatos foram responsáveis por 77,6% do total de ataques, e os cães, por 22%. Grande parte dos casos de agressão ocorreu nas residências de munícipes (57,4%). A grande maioria dos animais agredidos foi a óbito (71,3%). Apenas 27,2% das aves sobreviveram, sendo estas destinadas à soltura (25,4% do total) e ao cativeiro (1,8%). Nossos dados indicam que os cães e gatos domésticos podem representar um fator de impacto considerável para a sobrevivência da avifauna.
Unitermos: políticas de conservação, ataques, aves, animais de estimação


DIAGNÓSTICO POR IMAGEM: Ultrassonagrafia transtorácica extracardíaca – revisão de literatura

Autores: Luís Guilherme de Faria ; Washington Takashi Kano; Luciane dos Reis Mesquita; Lídice Araújo Campos; Maria Jaqueline Mamprim; Raquel Sartor

Resumo: A radiografia é, normalmente, o principal método de diagnóstico a ser utilizado na avaliação inicial do tórax. Diante dos recentes avanços tecnológicos dos aparelhos de ultrassom, a ultrassonografia transtorácica não cardíaca se tornou um importante método de diagnóstico das afecções de pulmão, pleura, mediastino e parede torácica. Embora existam limitações, devido à dificuldade de o feixe sonoro se propagar de forma eficiente sobre o ar, esse exame possibilita a tomada rápida de decisões terapêuticas, assim como torna mais segura e efetiva a coleta de materiais. O conhecimento da anatomia ultrassonográfica torácica fica restrito, pois o que prevalece nesses casos é o artefato causado pela presença de ar dos pulmões; já a ausência dele facilita a detecção das alterações torácicas. O objetivo desta revisão de literatura é apresentar as principais anormalidades passíveis de ser detectadas no exame ultrassonográfico.
Unitermos: ultrassom, tórax, pulmão, mediastino


DIAGNÓSTICO POR IMAGEM: Radiologia de trato gastrintestinal em pequenos animais: sete dicas para aumentar sua acurácia diagnóstica

Autores: Daniel Capucho de Oliveira ; Tilde Rodrigues Froes

Resumo: O radiologista enfrenta inúmeros desafios em sua prática diária, na tentativa de definir melhor a propedêutica futura de um paciente. A confirmação e a exclusão de doenças do trato gastrintestinal que requerem cirurgia pode ser um dilema a enfrentar, principalmente para jovens radiologistas. O objetivo desta revisão é descrever algumas considerações para a melhor abordagem de pacientes com processos obstrutivos gastrintestinais que utilizam a radiologia computadorizada simples, sem o uso de meios de contraste, como forma de triagem ou para sustentação diagnóstica. Descrevem-se conceitos sobre técnica radiográfica, posicionamento, anatomia radiográfica, diferenças interespécies, achados radiográficos em determinadas doenças obstrutivas, bem como as possíveis causas de falhas diagnósticas e como evitá-las.
Unitermos: radiografia, obstrução gastrintestinal, torção gástrica, corpo estranho


ENDOCRINOLOGIA: Adrenalectomia em cão com hiperadrenocorticísmo irresponsivo ao tratamento com trilostano – relato de caso

Autores: Sílvia V. de Magalhães e Corrêa ; Adriana Tomoko Nishiya; Fabrício L. de Aranha Machado

Resumo: O hiperadrenocorticismo (HAC) é uma alteração endócrina resultante de elevadas concentrações séricas de glicocorticoides. Quando endógeno, pode ser hipófise-dependente ou adrenal-dependente. A literatura propõe que casos adrenal-dependentes, unilaterais e sem metástase sejam tratados cirurgicamente, mas essa conduta ainda não é rotina no Brasil. Uma análise dos estudos publicados nas últimas décadas evidencia, no entanto, significativa redução na taxa de mortalidade perioperatória desses pacientes. O presente trabalho relata o caso de uma cadela de dez anos, sem raça definida, com HAC adrenal-dependente, que se mostrou irresponsiva ao tratamento clínico e foi submetida a adrenalectomia, enfatizando os cuidados pré e pós-operatórios que contribuíram para o sucesso da intervenção.
Unitermos: glândula adrenal, neoplasia, intervenção cirúrgica


ONCOLOGIA: Fibrossarcoma canino – relato de caso

Autores: Ivan Felismino Charas dos Santos ; Renata Bezerra Marujo

Resumo: O objetivo do trabalho foi relatar um caso de fibrossarcoma (FSA) de tecido mole, com metástases pulmonar e hepática em um cão da raça rottweiler, macho não castrado de dez anos de idade, cujos sinais clínicos eram tumefação na região coxofemoral do membro esquerdo e apatia. Foi observada uma massa de 20 cm de diâmetro com áreas ulceradas localizadas na região coxofemoral do membro esquerdo e dispneia. Foram realizados hemograma, bioquímica sanguínea sérica, exame radiográfico das regiões torácica e coxofemoral do membro esquerdo e ultrassonografia abdominal. O exame citológico da massa tumoral não foi conclusivo e, devido ao estado clínico do animal e ao prognóstico grave dos diagnósticos presuntivos, o proprietário optou pela eutanásia. O resultado histopatológico foi de fibrossarcoma de tecido mole com metástases pulmonares e hepáticas. O presente relato de caso apresenta uma forma pouco comum do fibrossarcoma, cuja capacidade metastática pulmonar e hepática tornou o prognóstico grave.
Unitermos: neoplasia, tecido subcutâneo, fibroblastos


ORTOPEDIA: Osteotomia tripla e dupla da pelve em cães – descrição das técnicas e principais diferenças

Autores: Amaro Fabio de A. Souza ; Eduardo Alberto Tudury; Marcella Luiz de Figueredo; Bruno Martins Araújo; Thaiza Helena Tavares Fernandes

Resumo: A osteotomia tripla da pelve (OTP) é o tratamento cirúrgico mais indicado para displasia coxofemoral de cães entre seis e onze meses de idade. Em 2006 foi desenvolvida uma variante dessa técnica, denominada osteotomia dupla da pelve (ODP), com a vantagem de se evitar uma osteotomia, visando reduzir o tempo cirúrgico, a morbidade pós-cirúrgica e algumas complicações inerentes à osteotomia tripla. Essas duas técnicas vêm sendo realizadas no Hospital Veterinário da UFRPE, com boa recuperação da atividade motora, sem comprometimento neurológico nem sinais de dor articular. Foram efetuadas 20 cirurgias de osteotomia tripla e 4 cirurgias de osteotomia dupla. O objetivo deste trabalho é descrever os detalhes da realização dessas técnicas. A experiência acumulada permite concluir que ambas as técnicas possuem pontos positivos e negativos. A ODP é menos demorada e menos traumática e exige implante mais caro e complexo. Cabe ao cirurgião escolher a que melhor se aplica a seu paciente.
Unitermos: ortopedia, displasia coxofemoral, cirurgia




Informação adicional

Peso 437 g
Dimensões 28 x 21 x 0.5 cm

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Seja o primeiro a avaliar “Clínica Veterinária n. 106”

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *