Clínica Veterinária n. 133

R$ 40,00

DERMATOLOGIA: Dermatopatias associadas a micose e sarna superficiais em dois gatos-maracajás (Leopardus wiedii) no Zoológico Nacional da Nicarágua

DERMATOLOGIA: Criptococose cutânea invasiva de plano nasal em gata – relato de caso

CLÍNICA: Exames laboratoriais na desnutrição de pequenos animais – revisão

NEUROLOGIA: Traumatismo espinhal por projéteis de armas de ar comprimido em cinco gatos

 

Descrição

Artigos científicos presentes na Clínica Veterinária n. 133, março/abril, ano XXIII:

DERMATOLOGIA: Dermatopatias associadas a micose e sarna superficiais em dois gatos-maracajás (Leopardus wiedii) no Zoológico Nacional da Nicarágua

Autores: Omar Navarro Reyes ; Eduardo Sacasa Urcuyo; Rodrigo Hidalgo Friciello Teixeira

Resumo: O gato-maracajá é habitante de selvas densas e florestas tropicais preservadas. A distribuição geográfica compreende o norte do México, a América Central, o Equador, o Peru, o Paraguai e o Brasil. O presente trabalho descreve o manejo terapêutico e a evolução clínica de dois gatos-maracajás (Leopardus wiedii), que apresentaram lesões cutâneas, com áreas de alopecia distribuídas no dorso, nas orelhas, no pescoço e nas patas dianteiras. No exame microscópico das amostras de raspado de pele foi detectada a presença dos ácaros Notoedres sp., Sarcoptes sp. e de artrósporos. Os dois animais foram tratados com itraconazol (5 mg/kg por via oral, a cada 24 horas) e ivermectina (300 mcg por via SC), e transferidos de recinto. Os novos recintos foram previamente tratados com produtos a base de iodo e cloro. Após onze semanas de tratamento, nenhum dos gatos apresentou sinais de recidiva, demostrando uma completa recuperação do quadro dermatológico.
Unitermos: animais selvagens, medicina de silvestres, felidae, dermatologia, ácaro, Notoedres, Sarcoptes


DERMATOLOGIA: Criptococose cutânea invasiva de plano nasal em gata – relato de caso

Autores: Ana Cláudia Balda; Juliana Cristina Gonçalves; Renata Cristina Menezes; Ana Cristina Fascetti de Souza

Resumo: A criptococose é a micose profunda mais comum em gatos, mas raramente diagnosticada na clínica médica de pequenos animais. O agente infeccioso da doença é o Cryptococcus sp., um fungo oportunista que pode disseminar-se por todo o organismo. Uma gata com aproximadamente dois anos de idade, 3 kg e sem raça definida foi atendida em uma clínica particular na cidade de São Paulo. O exame físico revelou lesões cutâneas piogranulomatosas invasivas, principalmente em plano nasal e no segundo dígito do membro torácico esquerdo. O animal não apresentava sinais neurológicos ou respiratórios. A resposta ao antifúngico nas lesões cutâneas foi favorável, porém o animal não resistiu a uma segunda sedação e veio a óbito vinte e oito dias após início do tratamento. Este relato apresenta um caso atípico de criptococose, devido à inexistência de imunodeficiência.
Unitermos: dermatomicose, fungos, Cryptococcus neoformans


CLÍNICA: Exames laboratoriais na desnutrição de pequenos animais – revisão

Autores: Andrei Kelliton Fabretti; Raquel Carolina Simões Siqueira; Rafael Oliveira Chaves; Carolina de Alencar Camacho; Patrícia Mendes Pereira

Resumo: A desnutrição é uma situação comum em pequenos animais, porém, subdiagnosticada na medicina veterinária. A desnutrição está associada a alterações bioquímicas e físicas, complicações clínicas, e tem mau prognóstico. Seu reconhecimento permite realizar um correto manejo nutricional, que aumenta a sobrevivência. Atualmente, muitas pesquisas se dedicam a avaliar a eficácia de marcadores laboratoriais do estado nutricional (EN) e de prognóstico. Este estudo revisou a literatura referente aos marcadores: eritrograma, leucograma, colesterol, albumina, proteína total, transferrina sérica e proteína C reativa. Hipocolesteronemia, hipoproteinemia, hipoalbuminemia e anemia normocítica normocrômica arregenerativa são indicadores de desnutrição crônica e mau prognóstico. A interpretação do EN deve ocorrer junto a marcadores do estado inflamatório, para diferenciar reduções dos valores por desnutrição ou inflamação.
Unitermos: subnutrição, deficiência de proteína, transferrina, mortalidade, pequenos animais


NEUROLOGIA: Traumatismo espinhal por projéteis de armas de ar comprimido em cinco gatos

Autores: Bruno Martins Araújo; Marcela Maria de Almeida Amorim; Sérgio Diego Passos Costa; Nadyne L. F. Cardoso Rocha; Thays G. Rodrigues dos Santos; Rallyson R. F. Barbosa Lopes; Camila Cardoso Diogo; Eduardo Alberto Tudury

Resumo: O trauma medular induzido por projéteis de armas de ar comprimido é considerado incomum em animais domésticos, particularmente em gatos. Desses, os que apresentam comportamento de fuga do domicílio e os que vagueiam livremente sem supervisão correm maior risco de receber ferimentos por disparo de armas. Apesar de seu tamanho pequeno, velocidade moderada e mau design aerodinâmico, os projéteis lançados por armas de ar comprimido (chumbinho) podem causar ferimentos graves. O tratamento e o prognóstico de animais que apresentam lesões por disparo de armas podem variar consideravelmente, dependendo da localização segmentar das lesões e da extensão dos danos. Objetivou-se descrever os achados neurológicos, radiográficos e cirúrgicos de cinco felinos acometidos por trauma vertebromedular provocado por projétil balístico em virtude da incomum ocorrência desse acometimento nessa espécie.
Unitermos: sistema nervoso, traumatismos da medula espinhal, ferimentos por arma de fogo, medula espinhal, gatos


Artigos de opinião

Saúde única
• Macacos não transmitem febre amarela 21
• Raiva em morcegos não hematófogos urbanos

Medicina veterinária do coletivo
• Serviços veterinários voluntários e gratuitos
• Vivência em medicina veterinária do coletivo

Medicina veterinária legal
• Bem-estar animal no transporte marítimo de bovinos:  quais as informações técnicas disponíveis?

Pet food
• Doença renal crônica e o manejo nutricional

Informação adicional

Peso 295 g
Dimensões 28 x 21 x 0.5 cm

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Seja o primeiro a avaliar “Clínica Veterinária n. 133”

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *