Publicado em

Perfil da comercialização de animais de estimação não convencionais no município de Concórdia, Santa Catarina: uma visão acerca da sanidade e do bem-estar dos animais

Revista Clínica Veterinária – Bem-estar animal – Edição n. 122 maio/junho – Ano XXI, 2016

O objetivo deste estudo foi caracterizar o comércio de animais de estimação não convencionais em Concórdia, Santa Catarina. Doze estabelecimentos comercializavam animais ou alimentos, e nesses aplicou-se um questionário e realizou-se inspeção visual. Constatou-se que as aves são o grupo mais comercializado nos estabelecimentos visitados (77%), seguido por coelhos (55,5%), roedores (55,5%) e tigres d’água (44,4%). Adquiriam-se esses animais de criatórios legalizados ou informais e não realizavam-se quarentenas. Quanto à alimentação, esses estabelecimentos indicavam misturas de sementes para aves (91,7%) e roedores (83,3%), ração peletizada para coelhos (91,6%) e répteis (66,6%). Esses alimentos eram comercializados em embalagens próprias ou a granel.

Percebe-se que o conhecimento da manutenção dessas espécies ainda é pouco difundido, ficando evidente a necessidade de capacitação dos funcionários, principalmente por meio da atuação de médicos veterinários.

Unitermos: animais selvagens, comércio, saúde, nutrição.

EN: Characterization of the trade of unconventional pets in Concórdia, Santa Catarina, with emphasis on animal sanity and wellbeing

ES: Caracterización del comercio de mascotas no convencionales en la ciudad de Concórdia, Santa Catarina: una visión sobre la cordura y el bienestar de los animales

Autor(es): Mariele de Santi ; Ana Carolina Gonçalves dos Reis; Renata Assis Casagrande.

>>>> Leia na integra – Amostra digital

Instruções aos autores para envio de artigos científicos: clique aqui

Publicado em

Formação de Oficiais de Controle Animal (FOCA)

Formação de Oficiais de Controle Animal (FOCA)

A anos o Instituto Técnico de Educação e Controle Animal (Itec) realiza o curso de Formação de Oficiais de Controle Animal (Foca).

Instruções aos autores para envio de artigos científicos: clique aqui

Publicado em

É possível fazer ciência sem experimentação em animais

A medicina translacional produz ciência com modelos espontâneos de doenças sem o uso prejudicial dos animais em experimentação

Embora apresentem complexa organização social, muitas capacidades, características e habilidades especiais, de um ponto de vista estritamente biológico, os seres humanos são apenas mais uma entre tantas outras espécies animais que habitam nosso planeta. Nesse sentido, os cientistas reconhecem que os animais e os seres humanos compartilham muitas características biológicas e mesmo sociais semelhantes, que se tornam relevantes quando os conceitos de saúde e doença são discutidos.

Bem-estar animal

Autores: Fabiano Montiani Ferreira; Gabrielle Fornazari; Mario Teruo Sato; José Ricardo Pachaly; Alexandre Welker Biondo.

Instruções aos autores para envio de artigos científicos: clique aqui

Publicado em

Seminário FNPDA

Seminário FNPDA - Desafios da Sociedade Civil e do Poder Público
Seminário FNPDA – Desafios da Sociedade Civil e do Poder Público

Seminário FNPDA 2016

Desafios da Sociedade Civil e do Poder Público

IV Seminário do Forúm Nacional de Proteção e Defesa Animal – O Fórum Nacional de Proteção e Defesa Animal (FNPDA) é a maior rede de proteção animal do Brasil, com mais de 100 entidades afiliadas em todas as regiões do país. Há mais de quinze anos, atuamos na disseminação do respeito, proteção e defesa dos animais. Lutamos para construir uma nova sociedade onde a compaixão pela vida animal seja um valor nacional, compartilhado por todos os brasileiros.

O Fórum Nacional de Proteção e Defesa Animal tem o grande prazer de convidá-lo para seu IV Seminário de Defesa Animal – FNPDA

O Fórum Nacional de Proteção e Defesa Animal (Fórum Animal) – a maior rede de proteção animal do Brasil – tem o grande prazer de convidá-los para nosso IV Seminário de Defesa Animal, que contará com especialistas e temas pertinentes ao trabalho em prol dos animais, de qualquer espécie.

O objetivo é incentivar o movimento de defesa e proteção animal com a divulgação de conhecimento e de novos instrumentos, além de gerar, essencialmente, uma grande sinergia através do congraçamento de pessoas e profissionais que trabalham na área.

O evento é aberto ao público em geral e busca promover também o contato entre entidades de defesa animal que operam em todas as regiões brasileiras.

Tópicos: Bases da defesa animal; Animais usados para tração e consumo; Entretenimento; Políticas públicas; Desastres ambientais; Animais silvestres; Animais de companhia; Movimento de defesa animal. • Confira a programação completa.

 • Local: Caminho Niemeyer – Av. Jornalista Rogério Coelho Neto s/nº – Niterói (RJ) – Data: 11 e 12 de junho de 2016

• Entrada: Doação mínima de 2kg de ração para gatos ou cães

• Realização: Fórum Animal (FNPDA)

• Parceria: Diretoria de Direito Animal da Secretaria de Meio Ambiente de Niterói/RJ

• Apoio: Universidade Federal Fluminense (UFF), Comissão de Proteção e Defesa Animal da OAB-RJ, Revista Clínica Veterinária e Max Alimentos.

IV Seminário – Defesa dos Animais: desafio da sociedade civil e do poder público – FNPDA

Informações: www.forumanimal.org/seminario

Instruções ao autores para envio de artigos científicos: clique aqui

Publicado em

Rastreamento e geolocalização

Grupo C&M acaba de lançar o Appego GPS, dispostivo de apenas 35g que se acopla à coleira por meio de um suporte de encaixe multifuncional. Ele funciona associado a um aplicativo inteligente, o Me Appego, que, por sua vez, permite o monitoramento dos animais de estimação em tempo real.

O aplicativo está disponível para smartphones e tablets (Android, iOS e Windows). “Um dispositivo pessoal de monitoramento inteligente é uma solução capaz de manter o pet sempre seguro, delimitando cercas virtuais para suas ações, alertando sobre qualquer alteração anormal na velocidade do animal e mostrando a sua posição em tempo real, entre outros recursos”, explica o diretor de processos e inovações tecnológicas da empresa, Marcelo Akabane.

Instruções ao autores para envio de artigos científicos: clique aqui

Publicado em

O papel da Unidade de Vigilância em Zoonoses (UVZ) na integração da saúde com o meio ambiente

“A captura e o extermínio de cães não domiciliados como forma de controle da raiva e do controle populacional, atribuição original do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), foi substituída por ações mais eficientes como vacinação antirrábica e educação em guarda responsável associada a castração de animais de companhia”

O Centro de Controle de Zoonozes (CCZ) foi conceitualmente uma unidade vinculada à Secretaria Municipal de Saúde para o controle da raiva em vários municípios brasileiros nas décadas de 70 e 80, quando a doença era uma grave problema de saúde pública. Embora municipal, a estrutura e as ações do CCZ seguiam o recém criado Programa Nacional de Profilaxia da Raiva (1973), elencado como um dos programas prioritários da política de saúde no Brasil. Esse programa previsa a realização de atividades sistemáticas para combater a raiva humana tais como tratamento preventivo, diagnóstico laboratorial e vigilância epidemiológica, educação em saúde, vacinação canina e captura de cães.

Instruções ao autores para envio de artigos científicos: clique aqui

Publicado em

Manejo etológico, segurança profissional, bem-estar animal e controle populacional

Uma excelente forma de interagir com os animais sem causar estresse é por meio da utilização do manejo etológico.  Essa é uma aptidão que deve ser procurada pelos gestores de qualquer estabelecimento veterinário, seja um centro de controle de zoonoses ou nos variados serviços para cães e gatos (veterinário, banho e tosa, creches, hotéis, escolas etc.).

O gestor público precisa zelar pelo bem-estar animal, e o gestor empresarial precisa gerar a satisfação do cliente e a sua fidelização, que ocorre de forma muito mais fácil e natural quando o tutor percebe a aplicação do bem-estar animal e o tratamento diferenciado que seu animal recebe.

No Brasil, o ITEC, Instituto Técnico de Educação e Controle Animal, promove há anos o curso FOCA (Formação de Oficial de Controle Animal). O curso tem quarenta horas de duração, com aulas teóricas e práticas que transmitem com excelência os conceitos de manejo etológico, segurança profissional e humanização dos serviços, parte do treinamento que foi muito importante nos primeiros cursos FOCA, numa época em que existia a carrocinha e os laçadores de cães praticavam a captura como se fosse uma prática de rodeio, sem nenhuma compaixão.

O próximo curso FOCA irá ocorrer de 11 a 15 de abril, em Jundiaí, SP. A parte teórica será no Hotel Intercity Jundiaí. A prática, por sua vez, terá lugar na Coordenadoria de Bem-Estar Animal de Jundiaí.

O oficial de controle animal está capacitado para interagir com os animais sem causar estresse (ou causando o mínimo possível), beneficiando tanto o bem-estar do animal quanto sua própria segurança.

O curso FOCA acrescenta muitos conhecimentos para todos os servidores públicos que exercem atividade relacionada ao controle de zoonoses.

Instruções ao autores para envio de artigos científicos: clique aqui